Fale Conosco

Na noite dessa quarta-feira 17), após esperar por três dia pela vaga em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), morreu Helenês Cândido, de 86 anos, ex-governador de Goiás, vítima da Covid-19. Na hora do óbito o político estava na ambulância do hospital em que estava internado, sendo transferido para um leito de UTI em Caldas Novas, na região sul de Goiás.

De acordo com nota enviada pela Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES) o pedido para a vaga na UTI aconteceu na madrugada de domingo (14). No entanto, segundo a SES, seis horas depois o pedido foi cancelado pela unidade solicitante. A pasta informou ainda que, na quarta-feira, recebeu um novo pedido de UTI para o paciente, que novamente foi cancelado, informando que ele havia conseguido um leito em um hospital particular.

Advogado e amigo de Helenês, Murilo Falone contou que o ex-governador testou positivo para a Covid-19 no início de março, junto com a esposa, Lila Morais. Assim que diagnosticados, os dois foram internados em um hospital particular em Goiânia. Após uma semana, apresentaram melhora, receberam alta e voltaram para Morrinhos, onde moram.

Porém, na última sexta-feira (12), o ex-governador voltou a apresentar sintomas e precisou ser internado em um hospital da cidade. Por apresentar piora, no dia seguinte, foi entubado e transferido para uma semi-UTI no Hospital de Campanha (HCamp) em Santa Helena de Goiás.

No último domingo (14), o quadro de Helenês se agravou. Desde então, precisava ser transferido para uma UTI completa, com suporte para hemodiálise. Porém, a vaga só foi disponibilizada na tarde de quarta-feira, no Hospital e Maternidade Nossa Senhora Aparecida, em Caldas Novas, a 265 km de distância de Santa Helena de Goiás. Ele morreu durante a transferência.

Helenês deixa a esposa e dois filhos. Segundo a família, o corpo do político será enterrado às 10h desta quinta-feira, no Cemitério São Miguel, em Morrinhos, cidade onde nasceu.

Nas redes sociais, o presidente do MDB em Goiás, Daniel Vilela, lamentou a morte do ex-governador. Há dois meses, ele também perdeu o pai, Maguito Vilela, para a Covid-19.

“Recebi com profundo pesar a notícia da morte do ex-governador Helenês Cândido, mais um líder histórico do MDB levado pela Covid-19. Essa foto, de 2018, foi feita em Morrinhos, na casa dele, quando tivemos uma ótima conversa sobre a política goiana. Meus sentimentos a todos os familiares e à população de Morrinhos, que perde uma de suas referências históricas. Descanse em paz”, escreveu.

A Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), onde o político foi presidente em 1997, decretou luto oficial por três dias.

Helenês nasceu em Morrinhos, em 5 de janeiro de 1935. Era advogado, formado pela Faculdade de Direito de Uberlândia.

Ele foi prefeito de Morrinhos de 1973 a 1997, deputado estadual por três mandatos – 1979 a 1983, 1991 a 1995 e 1995 a 1998 – e governador de Goiás de 1998 a 1999.

Em 2000 e 2001 foi presidente estadual do MDB, partido que integrou até o final de sua vida pública.

G1