Fale Conosco

Neste domingo (25), o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, deu mau exemplo em um shopping de Manaus. Ele entrou no lugar sem utilizar máscara de proteção, ignorando o decreto estadual que obriga o seu uso dentro de ambientes fechados coletivos.

Ao ser advertido, Pazuello respondeu com ironia. “Pois é, estou sem. Onde compra isso?”, e saiu rindo, disse a fotógrafa Jaqueline Bastos, que flagrou a irregularidade. “Eu fotografei e questionei perguntando se ele estava entrando sem máscara no shopping”, relatou.

Segundo a fotógrafa, o general ainda ganhou uma máscara de presente de uma pessoa que circulava no shopping. “Uma cliente do shopping deu uma máscara pra ele, ele colocou e foi embora”.

A foto foi postada nas redes sociais de Jaqueline, mas foi retirada em seguida mediante a grande repercussão da imagem. Ela revela que ficou “chocada com a cara de pau dele, de ter essa atitude e ainda sair rindo”.

No mesmo dia, o coronel da reserva do Exército Alfredo Menezes, homem fonte do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Amazonas, postou uma foto ao lado de Pazuello. Os dois ensaiam uma candidatura em dobro para o Senado e o Governo do Amazonas em 2022.

Também no mesmo dia, domingo (25), o Brasil registrou 1.316 mortes pela Covid e 32.000 novos casos da doença, dia da semana em que costuma ter números menores devido ao plantão nas secretarias de Saúde dos estado. Com isso, o país chega a 390.925 óbitos por coronavírus e a 14.339.312 pessoas infectadas desde o início da pandemia.

Isso significa que, nos primeiros quatro meses desse ano, o número de mortos de todo o ano de 2020 foi ultrapassado e que metade de todas as mortes por Covid no Brasil aconteceram apenas em 2021.

A média móvel de mortes se manteve bastante alta, com 2.498 óbitos por dia. O país completou 40 dias com média móvel de mortes acima de 2.000 e 95 dias acima de 1.000.

A média é um instrumento estatístico usado para suavizar variações de dados que costumam ocorrer em finais de semana e feriados. A média é calculada pela soma de todas as mortes dos últimos sete dias e divisão do resultado por sete.

Pazuello integrou a comitiva de Bolsonaro durante visita a Manaus na sexta-feira (23) para inaugurar um centro de convenções. Durante o evento, o ex-ministro foi elogiado pelo presidente e ovacionado cinco vezes por dezenas de militantes vestidos de verde e amarelo.

O general é considerado um dos principais alvos da CPI da Covid, que começa nesta terça-feira (27) e investigará ações e omissões do governo federal, incluindo a falta de oxigênio em Manaus em janeiro, contribuindo para que a cidade tenha registrado uma das mais altas taxas de letalidade do mundo.

Procurada, a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas informou, via assessoria de imprensa, que “não está entre as atribuições do sistema de segurança a aplicação de multas e/ou fiscalização de uso de máscara pelo cidadão”.

A reportagem questionou a Prefeitura de Manaus e o comando do Exército, mas não obteve resposta até a conclusão deste texto. O governador Wilson Lima (PSC) e o prefeito David Almeida (Avante) são considerados próximos do bolsonarismo.

Apenas o shopping Manauara se pronunciou sobre o incidente. Em nota, informou que “o ex-ministro Pazuello ingressou no estabelecimento sem máscara, mas com a orientação de se dirigir a um quiosque próximo para adquiri-la de imediato. Assim foi feito e o ex-ministro com ela se manteve enquanto permaneceu no shopping.”

“Os protocolos de segurança do Manauara Shopping são, porém, rigorosos e o ingresso do ex-ministro não deveria ter ocorrido. O Manauara Shopping se desculpa pela falha de protocolo, que será apurada e resultará desde já em amplo reforço de treinamento”, diz o comunicado.

Folha de S. Paulo