Fale Conosco

O vereador Odon Bezerra, que também é presidente da Comissão de Constituição, Justiça, Redação e Legislação Participativa (CCJ) da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), concedeu entrevista nesta terça-feira (18) ao programa 360 Graus. O parlamentar, que foi relator da matéria que proíbe a exigência de passaporte sanitário, comentou a respeito do veto de Cícero Lucena à Lei. Mesmo com parecer contrário do relator, o texto foi aprovado pelos demais vereadores da Casa, por 10 votos a 8.

Em edição especial do Semanário Municipal dessa segunda-feira (17), foi publicado o veto do prefeito da Capital, Cícero Lucena, ao Projeto de Lei Ordinária de número 739/2021, que proibia a exigência do passaporte sanitário na cidade de João Pessoa. Responsável pela propositura na CMJP, Odon Bezerra foi contrário à sua aprovação quando ainda tramitava na CCJ. Conforme o vereador, seu voto contrário foi fundamentado nas evidências científicas da eficácia do imunizante, como também nas decisões do Supremo Tribunal Federal, referendadas pelo ministro Ricardo Lewandowski.

“A ciência trouxe enormes benefícios ao mundo inteiro. Uma das argumentações é que a vacina é de caráter experimental e justifica o caráter experimental porque saiu de um ano para o outro. Será que nossos cientistas, que se dedicaram com seus conhecimentos, com a mão de Deus orientando essas pessoas a trazer um bem para a humanidade, será possível que todos os chefes de Estado são irresponsáveis em pedir a vacinação?”, indagou.

O parlamentar destaca que a vacina, embora não garanta 100% de proteção contra o coronavírus, já foi a responsável pela queda considerável no número de mortos em decorrência da doença nos últimos meses, constatando a extrema importância do imunizante neste momento pandêmico. Após o veto de Cícero Lucena, a matéria volta para a Câmara de João Pessoa, onde os vereadores discutirão se mantém ou não a decisão do gestor. Odon Bezerra adianta que seguirá com seu posicionamento favorável a apresentação do cartão de vacinação na entrada de ambientes fechados na Capital.

“Outra argumentação que eles dizem é que o direito de ir e vir é constitucional. Eu refuto esse posicionamento, como fiz no plenário da Câmara Municipal, dizendo que esse direito fica delimitado quando se der uma causa maior. Ou seja, o direito de um não pode se sobrepor ao direito da coletividade. Então, é a saúde que está se buscando. E disse mais, na minha casa eu não quero ninguém que não esteja vacinado. Eu, minha mulher, meus filhos, todos nós nos vacinamos e, se tiver outra vacina a mais para tomar, o reforço, vou tomar porque acredito na ciência e acredito nas decisões dos nossos representantes da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar)”, arrematou o vereador, frisando que a maioria dos leitos dos hospitais paraibanos está ocupado por pessoas que não receberam o imunizante contra a Covid-19.

“Eu não voto apenas porque a matéria é do governo, eu voto por convicção plena. Eu tenho o livre convencimento que a vacina é a solução para esse mal”, acrescentou Odon Bezerra, reafirmando que é contrário a proibição da exigência do passaporte sanitário na cidade de João Pessoa.

Assista à entrevista completa com o vereador Odon Bezerra: