Fale Conosco

Em entrevista à imprensa paraibana nesta segunda-feira (10), o secretário de Saúde, Geraldo Medeiros, fez um desabafo, criticando a ausência da prefeitura de Campina Grande na realização de cirurgias para a população. Segundo o secretário, há dois anos o Hospital Municipal Pedro I não realiza sequer uma cirurgia, superlotando a demanda para o Hospital de Emergência e Trauma da Rainha da Borborema.

Questionado sobre a pouca quantidade atual de funcionários no Hospital de Emergência e Trauma de Campina, o secretário de Saúde do Estado fez uma crítica a gestão do prefeito Bruno Cunha Lima. Escute o trecho a partir das 02h04 minutos do programa no link  abaixo: https://www.facebook.com/correio98fm/videos/2010839562417422

“Só existe o Hospital de Trauma de Campina Grande, essa é a realidade! Ou seja, um hospital que foi edificado para a tender as vítimas de traumas, está atendendo, obstrução por tumor, vesícula, apêndice, hérnia, ou seja, todos os tipos de procedimentos. Principalmente nos finais de semana, enquanto os demais hospitais não têm plantonistas. Na área vermelha por exemplo, nesse final de semana tinha 37 pacientes, onde mais da metade deles não seria o perfil do Hospital de Trauma. Esse é um problema o outro é que a Corregedoria Geral da União obriga que quando se desativa os leitos de Covid, as pessoas que foram contratadas, para esse fim, que elas tenham o contrato encerrado. Estamos observando a alta demanda do hospital e essa demanda está alta, pois o Hospital Municipal Pedro I, há mais de dois anos não realiza um sequer cirurgia naquele hospital. Para você ter ideia uma drenagem de tórax tem que ser transferida para o Hospital de Traumas, pois requer um procedimento que o Hospital Pedro I não faz. Então é esse o cenário de Campina Grande”, comentou Geraldo Medeiros.