Fale Conosco

Em sua coluna para O Globo, o jornalista Merval Pereira, que esteve engajado nas campanhas em prol do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e da prisão política do ex-presidente Lula, defende agora a destituição de outro chefe da Nação Brasileira, Jair Bolsonaro. Nas palavras do colunista, a crise no Brasil será contida somente com “o remédio amargo do impeachment”.

“Mesmo que Arthur Lira alegue não ver razão para acatar um dentre as dezenas de pedidos de impeachment contra Bolsonaro, terá de fazê-lo a qualquer momento, pois ninguém, nem mesmo ele, acredita em acordos com Bolsonaro para que se modere. Ontem mesmo, na reunião do Conselho de Governo que improvisou depois de ter dito que convocaria o Conselho da República como ameaça, mostrou fotos das manifestações do dia 7 de setembro para garantir que o povo está com ele”, escreveu Merval.

Conforme sua coluna, Bolsonaro sugeriu que o ministro da Justiça determinasse novas regras para a Polícia Federal, a principal delas: não acatar as decisões do Supremo Tribunal Federal, especificamente do ministro Alexandre de Moraes. “O ministro que pula de ministério em ministério de acordo com a conveniência de Bolsonaro [Onyx Lorenzoni] teve a petulância de sugerir ao ministro da Justiça que proíba a Polícia Federal de acatar ordens emanadas do ministro Alexandre de Moraes. Como se a PF não fosse polícia judiciária e autônoma — e pudesse ser manipulada pelo governo. Ou como se isso não representasse mais um crime de responsabilidade”, continuou.

Por fim, o jornalista menciona que, ao instigar atitudes antidemocráticas, o presidente estimula que seus apoiadores resistam à ordens policiais. “A fala absurda de Bolsonaro, assim como estimulou Lorenzoni a propor besteiras, fará com que militantes bolsonaristas, como blogueiros e caminhoneiros a soldo, se sintam estimulados a resistir a um mandado de prisão, o que poderá ter sérias consequências. A crise mal começou e, como depende apenas de Bolsonaro, não será contida a não ser com o remédio amargo do impeachment”, concluiu.