Fale Conosco

A política brasileira foi sempre tão cheia de anomalias que os escândalos agora saem gêmeos: mensalão-petrolão, por exemplo. Descobriu-se que o procurador-geral da República Rodrigo Janot decidiu incluir Eduardo Cunha no rol dos políticos passíveis de investigação na Operação Lava Jato. A despeito de o deputado negarqualquer tipo de envolvimento no caso, o chefe do Ministério Público pedirá no STF a abertura de um inquérito contra ele.

Considerando-se que o senador Renan Calheiros encontra-se em situação análoga, o país pode estar prestes a testemunhar o surgimento de mais um absurdo gêmeo. A dupla é favorita na briga pelo comando das Casas do Congresso. A eleição de Cunha para presidir a Câmara e a de Renan para continuar dirigindo o Senado os colocaria em terceiro e quarto lugar na linha de sucessão, depois do correligionário Michel Temer. O que obrigaria os brasileiros a manter permanentemente acesas duas velas -uma para Dilma e outra para o próprio Temer.

Na hipótese de um impedimento de Dilma, quem assumiria o seu lugar, você sabe, seria Temer. A partir daí, qualquer hipotética mudança provocaria insondáveis efeitos na cabeça das crianças. Impedido Temer, assumiria o impensável, cujo sucessor direto seria o inaceitável. As forças de segurança teriam de entrar em estado de alerta. Haveria um enorme risco de ocorrer um suicídio coletivo se acontecesse qualquer coisa com a Dilma e o Temer não pudesse assumir. O repórter não é afeito a armas. Mas já deu ordens à família: se algo acontecer com os dois primeiros da linha sucessória, me matem. Até para os padrões nacionais um presidente sob investigação do STF seria uma demasia.

Josias de Sousa – Blog do Josias