Fale Conosco

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT-13) vai levar a leilão o Hotel Tambaú, que é um dos principais hotéis do estado da Paraíba, no dia 15 de junho. A venda servirá para pagar dívidas na Justiça do Trabalho.

O leilão será realizado em duas seções, uma prevista para o dia 15 de junho e outra para o dia 29 de junho e decorre de duas decisões da 1ª e da 5ª Vara da Seção Judiciária Federal da Paraíba.

O imóvel está avaliado em R$ 104.545 milhões. O lance inicial é de R$ 52 milhões.  O imóvel pertence a Companhia Tropical de Hotéis, com sede em São Paulo.

Com área construída de 18.009,05 M², o imóvel possui uma estrutura interna dividida em quatro alas; totalizando 175 apartamentos. Além dos apartamentos, o hotel possui sala de jogos, sala de recreação, sala de carteado, sala de estar/TV, sala de descanso/pérgola, sala de redes, sauna seca e molhada, vestiário, bar molhado, sala de ginástica, massagem, Wc’s masculino e feminino. Conta também com parque aquático com três piscinas, sendo uma maior no centro e duas menores em cada extremidade, abarcando um área aproximada de 63,00x20m. Praças e jardins complementando uma extensa área verde. Também possui 2 quadras de tênis, piso saibro, tamanho oficial,  quiosques rústicos e estacionamento.

O Hotel Tambaú fica situado na Av. Almirante Tamandaré nº 229, na Praia de Tambaú, em João Pessoa.

Para maiores informações basta acessar a página de leilões da Paraíba.

Administração do Hotel Tambaú questiona leilão e diz que dívida é da Varig

O Hotel Tambaú divulgou na noite desta terça-feira (29), nota de esclarecimento sobre matéria publicada pelo Portal Click PB em relação ao leilão do Hotel Tambaú, que foi incluído pela Justiça do Trabalho na Paraíba na lista de leilão público.

“A atual administração vem tomando todas as medidas para cumprir as decisões do Tribunal do Trabalho de João Pessoa. Os processos, no entanto, são decorrentes de uma dívida trabalhista da antiga Varig –  e não do Hotel”, afirma a administração do hotel.

Ainda de acordo com a administração, o hotel busca em sua cidade natal o mesmo entendimento de outros tribunais, como do Rio de Janeiro e São Paulo, “que já deferiram que os pagamentos sejam realizados com os recebíveis e não a destruição da empresa protegendo a sua função social para seus funcionários, fornecedores, cliente e, em particular,  para cidade de João Pessoa”, defende.

“Não é uma medida deste porte que resolverá a questão da Varig – ao contrário, com o encerramento da empresa não poderá pagar os débitos trabalhistas daquela empresa”, sustenta a defesa do Hotel Tambaú.

De acordo com a nota, em se tratando de um equipamento importante para a cidade, considerado um cartão postal de João Pessoa, a atual gestão visa equacionar as dívidas que não gerou e manter o empreendimento ativo e propiciando a divulgação da cidade.

“Esforços jurídicos estão sendo tomados no sentido da solução deste ato”, assegura a administração do hotel.