Fale Conosco

Fissurado pelo ‘poder da caneta’, Cartaxo que já teve oportunidade de fazer,agora ilude com promessa do “vou fazer”

Hoje, depois de ouvir atentamente a entrevista do pré-candidato a prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT), eu percebi que o dicionário de Português do Partido dos Trabalhadores, assim como a gramática da Língua Portuguesa, passou por reformas e aos poucos os significados de algumas palavras passam a ter a mesma denotação dos seus antônimos. Lealdade passou a ser o mesmo que “infidelidade”, gratidão é o mesmo que “ingratidão” e traição passou a ser o mesmo que “lealdade” e assim os maléficos políticos tentam construir seu programa de Governo, baseado em falácias e mentiras para tentar enganar os  pessoenses.

Ao mesmo tempo em que mira artilharia pesada em seu ex-aliado, o ex-governador José Maranhão, o pré-candidato Luciano Cartaxo também agride a si próprio, afinal ele foi vice de Maranhão. O mais interessante é o fato dele mesmo assumir que o cargo de vice e nada é a mesma coisa. Será mesmo que um vice-governador não tem poder algum “picolé de chuchu”? Já sei que você não serve para nada mesmo, menos ainda para tentar ser prefeito de uma cidade como João Pessoa.

Cartaxo declarou sua incompetência como vice de Maranhão, ao afirmar em emissora radiofônica, na tarde desta quarta-feira (13), que: “Infelizmente eu não era governador do Estado, não pude fazer muito. Eu não tinha o poder de decisão e não tinha a caneta na mão” e tenta camuflar sua incoerência ao dizer que como prefeito da Capital fará alguma coisa. Essa declaração de inabilidade é para rir ou para chorar “picolé de chuchu”? Para alguém que foi considerado pela imprensa, nas últimas eleições, como o candidato mais antipático, a situação para você não é das melhores.

Após fazer a então candidata a deputada federal em Campina Grande, em 2010, Nilda Gondim (PMDB) de escora para angariar votos, o “picolé de chuchu”, juntou-se a corja petista e articulou juntamente ao protótipo de presidente estadual do PT, Rodrigo Soares a trair descaradamente o prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital do Rego (PMDB).

Ainda despeitado por não ter sido novamente indicado como o “nada”, na vice de Maranhão, em 2010, Cartaxo agora bota as unhas de fora e ataca aquele que sempre esteve ao seu lado, inclusive para fazê-lo sair do “nada” e chegar a ALPB. O remédio para isso “picolé de chuchu” é respeito aos aliados e transparência com o povo de João Pessoa que não merece um engodo como você. O que mais dá na serra é chuchu, quem sabe lá você não consegue o tão sonhado prestígio que almeja!

O senhor é igual a chuchu na cerca, a gente corre para o vizinho não comer, mas também não come, porque, simplesmente não tem gosto de nada!