Fale Conosco

Em carta destinada ao secretário de Cultura do Estado Chico Cesar, e por meio de abaixo-assinado, músicos e servidores de apoio-artístico da Orquestra Sinfônica da Paraíba solicitaram o afastamento imediato do atual maestro da OSPB, Alex Klein, mas o pedido foi negado e, segundo informações de um dos integrantes da sinfônica, o secretário não apenas negou a solicitação como dispensou 20 integrantes. 

O pedido feito pelos integrantes ganhou repercussão nacional em um blog especializado em música clássica do porta l Estadão, onde o maestro Aex Klein escreveu um longo e contundente texto denunciando diversas irregularidades na Orquestra Sinfônica da Paraíba e anunciando, inclusive, a realização de um concurso para novos músicos.

Veja abaixo algumas publicações que circularam nas redes sociais dos dois lados da pendenga musical:

Músicos e servidores do quadro da Orquestra Sinfônica da Paraíba pedem o afastamento do maestro Alex Klein

Em carta destinada ao secretário de Cultura do Estado Chico Cesar, e por meio de abaixo-assinado, músicos e servidores de apoio-artístico da Orquestra Sinfônica da Paraíba solicitam o afastamento imediato do atual maestro da OSPB, Alex Klein.

Em Assembleia Geral realizada na noite do dia 24 de agosto de 2012, na Sala do Cine Banguê – Espaço Cultural, músicos e servidores de apoio-artístico da Orquestra Sinfônica da Paraíba decidiram por unanimidade o afastamento do senhor Alex Klein da função de Regente Titular e da Direção Artística da OSPB. Por meio de abaixo-assinado e usando o exercício da democracia e em concordância com a legislação estadual, em especial o art. 196 do Estatuto do Servidor Público do Estado da Paraíba, Lei complementar Nº 58 do dia 30 de dezembro de 2003, os músicos e servidores decidiram que não há mais condições de continuidade no trabalho conjunto com o aludido maestro. 

Nessa mesma assembleia ficou acordado que seria sugerido ao Exmo Secretário que os concertos que restam da temporada 2012 seriam regidos pelo maestro da Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba e maestro assistente da OSPB, o Sr. Luiz Carlos Durier, até que novas alternativas sejam encontradas para a ocupação da função de Regente Titular da OSPB. Afirmam também que na cidade existem maestros capazes e preparados para, na condição de convidados, auxiliarem na condução dos destinos da OSPB e dar continuidade à programação da temporada 2012. 

Os músicos e servidores alegam imposição unilateral de perfil e gestão do maestro, que desconsidera sistematicamente a participação do Conselho Artístico da OSPB nas decisões e planejamento das atividades. Uma afronta ao parágrafo 2º do art. 3º da Lei nº 7.861 de 16 de novembro de 2005 que dispõe sobre a vinculação, a organização e o quadro pessoal da sinfônica. 

Eles questionam também que o maestro estabeleceu no primeiro semestre de 2012, uma programação artística arbitrária sem conhecimento prévio do conselho artístico, como também a não consideração das condições físicas, materiais, técnicas e principalmente orçamentárias da Orquestra, que acarretou a inexecução do cronograma da temporada, resultando nos cancelamento de concertos, sem devido aviso prévio, promovendo o constrangimento dos músicos e do público, que desinformado compareceu ao local onde estes seriam realizados. 

Os músicos e servidores contestam ainda a conduta ética do maestro em relação ao trato pessoal com os músicos, algum dos quais foram constrangidos publicamente em assembleias realizadas com a sua participação, bem como a ausência de um projeto coerente que atenda aos anseios dos músicos no que diz respeito à manutenção e revitalização deste conjunto sinfônico. 

Na carta ao secretário Chico Cesar, músicos e servidores afirmam que após longas discussões em assembleias realizadas desde o inicio do ano procurando saídas, estas demonstraram que definitivamente não há mais possibilidades de encontrar caminhos de harmonia, entendimento, confiança e simpatia entre o referido maestro e os músicos, aspectos fundamentais para o exercício da profissão de músico. 

As vias de comunicação estão esgotadas, a confiança completamente abalada e a integridade moral dos músicos ferida, ao ponto de não haver mais possibilidade de reconciliação entre as partes, disseram. Eles finalizam a carta pedindo providências para atender as solicitações, além de se colocarem à disposição para discussões futuras que envolvam o maior patrimônio cultural dos paraibanos, a Orquestra Sinfônica da Paraíba – deixando claro o seu total e irrestrito apoio as políticas culturais do Governo do Estado da Paraíba.

Chico César não aceita pedido para afastar maestro e ainda dispensa 20 músicos

Em reunião realizada na noite desta segunda-feira (03/09/2012) no Cine Banguê, o secretário Chico Cesar dispensou 20 músicos, professores da universidade, profissionais de alta qualidade técnica, que junto com todos os integrantes ajudaram a fazer a OSPB forte e reconhecida em todo Brasil. Esses professores integravam a orquestra por intermédio de um convênio firmado entre o Governo do Estado e a Universidade Federal da Paraíba. 

É uma pena que o nosso secretário não perceba o mal que está fazendo a música na Paraíba; é uma pena que os músicos não sejam ouvidos; é uma pena que a qualidade artística não seja levada em conta; é uma pena que a prata da casa seja aproveitada por todas as orquestras do Brasil, e aqui esteja sendo demitida; é uma pena que um “maestro” chegue a nossa cidade e desestruture todo um trabalho prestado por essa orquestra à comunidade paraibana, desde 1947; é uma pena que o secretário, que é músico não perceba o que está acontecendo. 

Queremos trabalhar, queremos tocar, queremos contribuir para elevar a música no nosso estado, queremos uma orquestra forte, queremos que nos deixem trabalhar, queremos o diálogo, queremos dignidade e respeito, não somos contra a politica do governo, ao contrário somos a favor, não fazemos oposição FAZEMOS MÚSICA, não somos alienados, não somos marionetes, SOMOS MÚSICOS, somos trabalhadores navegando através do som, no universo do sentimento e da sensibilidade. 

ão podemos trabalhar com um ” maestro” que não respeita as regras mínimas do relacionamento humano: “humildade, respeito, sinceridade, verdade e dignidade. Sem esses predicados é impossível conduzir qualquer grupo. Maestro queremos trabalhar, nos deixe trabalhar, pela força e pela intransigência, as pessoas não conseguem nada a não ser inimizades e desprezo. SOMOS FORTES,SOMOS VERDADEIROS, SOMOS HUMILDES, SOMOS DIGNOS SOMOS ORQUESTRA SINFÔNICA DA PARAÍBA COM MUITO ORGULHO”.

(Texto extraído da página no Facebook do músico Eduardo Nóbrega)