Fale Conosco

Atento as demandas sociais o presidente do diretório do Partido dos Trabalhadores de Campina Grande (PT-CG), Alexandre Almeida, relatou na manhã desta terça-feira (01), que está apreensivo com a instabilidade jurídica gerada nos alunos brasileiros em especial os que prestaram provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em Campina Grande, pela anulação das 14 questões propostas pela Procuradoria Federal do Ceará.

O petista entende que esse clima de indefinição tem prejudicado os alunos que na maioria dos casos se prepararam meses para a prova e agora se vêm na possibilidade de terem seus resultados anulados. Alexandre lembra que somente em Campina Grande mais de 20 mil pessoas prestaram o exame.

O Enem 2011 vai substituir o vestibular de 30 universidades federais, sendo que pelo menos 22 delas irão utilizar o Sistema de Seleção Unificada (SiSU) para o preenchimento de todas as vagas. Algumas instituições, como a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), optaram por receber as notas do Enem 2011 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e, em posse delas, elaborar a lista de aprovados.

Alexandre Almeida concorda como posicionamento do Ministro da Educação Fernando Haddad que descartou ontem a possibilidade do cancelamento de todas as provas do Enem, como pede a Procuradoria federal do Ceará. “Além do irreparável prejuízo aos alunos, isso causaria um custo ao MEC entre 20 milhões e 30 milhões de reais a mais com a nova impressão do Enem. Há apenas duas possibilidades em discussão: a anulação das 14 questões que foram apresentadas a alunos do colégio Christus e a reaplicação do exame para esses alunos. O MEC como eu prefere a segunda por considerar que o problema se restringiu a um grupo pequeno em universo de 4 milhões de candidatos. Reaplique-se a prova. Não há necessidade de anular as questões”, disse.

Provas – As provas do Enem 2011 foram aplicadas nos dias 22 e 23 de outubro, em 1.599 municípios. O exame teve novamente quatro áreas de análises com 45 questões objetivas cada uma, além de uma redação.

Foram mais de 140 mil salas de aulas distribuídas em mais de seis mil escolas.

Ficam anuladas as seguintes questões no caderno amarelo e suas correspondentes nos outros cadernos: 32, 33, 34, 46, 50, 57, 74 e 87, do primeiro dia; 113, 141, 154, 173 e 180, do segundo dia.