Notícias

Reitor da UEPB rebate críticas do Governo: “Comunidade universitária não é boiada”

O professor Rangel Júnior, reitor da UEPB, postou carta aberta em seu Facebook, na tarde desta segunda-feira (dia 6), em que rebate as críticas feitas pelo Governo do Estado à administração da Universidade, em função da decisão do Conselho Universitário de recomendar a redução no número de vagas, após cortes efetuados pelo governador no orçamento da Instituição para 2015.

Em seu texto, o reitor diz que na UEPB honestidade, verdade e vergonha, e que falta da parte do Governo mais conhecimento sobre a sua situação. Diz que a Universidade “não é uma boiada nem o Reitor é seu tangedor” e nega que exista “má gestão” ou  “gestão desordenada”: “O Governo da Paraíba, como um todo, modéstia à parte, bem que poderia se espelhar em nossas experiências de transparência pública, aprender com elas, aperfeiçoar as suas práticas, visando elevar o nível de comprometimento ético de suas estruturas como um todo.”

Rangel não responde diretamente ao governador, mas diz: “Prefiro fazê-lo pessoalmente, olho no olho, cara a cara, se tiver oportunidade. Ele sabe exatamente o que tem feito com a UEPB. Não vou desacatá-lo publicamente, na mesma medida, em resposta à acusação leviana que fez ao Conselho Universitário da Universidade Estadual da Paraíba e a mim, na condição de seu Presidente.”

Confira a carta na íntegra:

CARTA ABERTA? A QUEM INTERESSAR!

Poderia oferecer o silêncio como resposta. Tenho agido assim na maioria das situações que envolvem a disputa eleitoral majoritária de 2014 na Paraíba.

Poderia poupar pessoas que conheço e respeito – na condição cidadã, independente de cargos – em vez de devolver-lhes o tratamento dado a mim, no mesmo nível em conteúdo e forma. Escolhi assim!

Poderia continuar apenas desabafando com amigos e não publicar nada a respeito;

Poderia…
Depois de resistir por mais de 24h a ler pessoalmente os tantos xingamentos, insultos e acusações levianas contra mim, que ouvia os amigos me dizerem que estavam publicando em redes sociais, cedi.

Ao Governador não responderei, pois prefiro fazê-lo pessoalmente, olho no olho, cara a cara, se tiver oportunidade. Ele sabe exatamente o que tem feito com a UEPB. Não vou desacatá-lo publicamente, na mesma medida, em resposta à acusação leviana que fez ao Conselho Universitário da Universidade Estadual da Paraíba e a mim, na condição de seu Presidente.

Especialmente ao Secretário de Comunicação do Estado, Jornalista Luís Torres (A QUEM RESPEITO E PREZO), pelo insulto e a inconteste ignorância acerca da realidade da UEPB, gostaria de registrar apenas alguns pontos:

– Que na Reitoria da UEPB não faltam honestidade, verdade nem vergonha.

– Que da parte do governo ao qual vossa excelência serve, faltam o conhecimento da realidade e da complexidade desta instituição, o respeito à sua autonomia e o tratamento digno e merecido para que ela possa continuar de pé. Nossos clamores precisam ser gritados?

– Que na UEPB não há má gestão nem gestão desordenada. Há ordem e zelo e muita capacidade de fazer quase milagres, com os parcos recursos de que dispomos e as migalhas que vimos insistentemente pedindo ao Governo ao qual vossa excelência serve.

– Que a Comunidade Universitária da UEPB não é uma boiada nem o Reitor é seu tangedor. Que o Conselho Universitário, órgão deliberativo máximo da instituição, com representação de todos os segmentos e centros merece um pouco que seja de respeito.

– Que a UEPB pode muito bem ser auditada, investigada esmiuçadamente, para além de todos os mecanismos e ações de transparência pública, o que temos implantado e exercitado diuturnamente. Afinal, deve vossa excelência ter conhecimento das atribuições da Controladoria Geral do Estado e do Tribunal de Contas do Estado.

– Que o Governo da Paraíba, como um todo, modéstia à parte, bem que poderia se espelhar em nossas experiências de transparência pública, aprender com elas, aperfeiçoar as suas práticas, visando elevar o nível de comprometimento ético de suas estruturas como um todo.

Tais escolhas evitariam que, por exemplo, tais publicações recentes tivessem sido feitas, mesmo no calor de uma campanha eleitoral.

Não percamos a consciência de onde estamos, quem somos, nem muito menos de nossas responsabilidades como cidadãos e gestores públicos.

  1. Antonio Guedes Rangel Junior
    Reitor da UEPB

P.S. O Orçamento foi enviado na terça-feira. Tivemos acesso a ele na quarta-feira. O CONSUNI reuniu e tomou posição na quinta. Talvez eu estivesse sendo elogiado (nos bastidores) se tivesse silenciado, traído meus pares, sonegado à comunidade universitária as informações (que obtivemos por meio de amizade) e deixasse para lamentar (com direito apenas a isto!) somente depois do 2º turno.”

BHM