Fale Conosco

Para o colunista político Josias de Souza, a exclusão de Estados e municípios transforma a mexida na Previdência numa reforma “Saci-Pererê”, com uma perna só. Resolve o problema da União por algum tempo. Todos sabem que a solidez dos cofres estaduais e municipais é uma lenda. Assim, é uma temeridade manter aberto o buraco previdenciário desses entes da federação.

Conservando-se esse cenário, governadores e prefeitos terão de aprovar suas próprias reformas em nos legislativos locais. Se isso não acontecer, a bomba vai explodir no seu bolso. Estados e municípios estão endividados até a raiz dos seus cabelos, caro internauta. Apenas o pedaço previdenciário da cratera é estimado em algo como R$ 90 bilhões.

Um detalhe conspira contra a reconversão da reforma da Previdência numa proposta bípede. Certos governadores querem benefícios sem entregar votos no plenário da Câmara. Pior: agem como se vivessem no Mundo da Lua.

No último domingo, os governadores nordestinos do PT e de legendas aliadas assinaram uma carta. Previdência? Que nada! Pediram a libertação de Lula e a demissão de Sergio Moro. É como se brincassem de “Lula Livre” à beira do precipício fiscal. É esse abismo que transforma a reforma saci num pulo muito curto.

Aprovando-se uma reforma sem Estados e municípios, a União saltitará com dificuldade, enquanto espera pela chegada da conta a ser espetada no Tesouro Nacional por governadores e prefeitos.

Da redação com UOL