Fale Conosco

O neto de Miguel Arraes não pára de produzir fatos novos. Após ter feito a história retroagir no tempo e o Nordeste voltar ao tempo das capitanias hereditárias reanexando a Paraíba, o governado de Pernambuco Eduardo Campos estampa em outdoors por Recife foto ao lado do ministro da Integração Fernando Bezerra, antecipando inesperadamente a campanha de 2014.

É que o ministro foi colocado pelo PSB no cargo e é o nome que Eduardo quer lhe sucedendo no Palácio Campo das Princesas. 

Reeleito com mais de 70% dos votos, Eduardo exibe em suas credenciais para vôos futuros o incrível crescimento de 9,4 do PIB do vizinho estado. 

Eduardo é o principal avalista de Ricardo Coutinho e hipoteticamente teria captado algo em torno de 10 milhões para fomentar a virada em cima de Maranhão. 

Presidente nacional do PSB opera para transformar o partido em uma espada permanente na garganta de Dilma e não esconde de ninguém que poderá disputar com ela a presidência lá na frente. 

Eduardo usará o tripé Pernambuco-Paraíba-Rio Grande do Norte para alavancar seu projeto político. 

E, cá pra nós, sabe usar bem a mídia, mas a s vezes exagera e comete gafes, a exemplo do projeto que enviou a Assembléia instituindo a meia entrada em show, teatros e cinemas para jornalistas, que acabou não sendo consenso na categoria e gerando polêmica. 

Rápido no gatilho, Eduardo recuou e justificou-se assim após ser bombardeado pelo blogueiro Josias de Souza, da Folha de São Paulo, que definiu a troca de figurinhas como tentativa de “uma mão suja lavar a outra”. 

” Recebera um “pedido formal” do Sindicato dos Jornalistas de Pernambuco para que enviasse à Assembléia Legislativa o projeto de lei.

Imaginara que a reivindicação da meia-entrada fosse “consensual” entre os jornalistas.

Em princípio, parecera-lhe “coerente” que jornalistas tivessem facilitado o acesso a “bens culturais”. A meia-entrada, disse ele, já é assegurada a professores.

Ao constatar que não há consenso sobre a matéria, Eduardo Campos anunciou: “Decidimos suspender o envio do projeto à Assembleia”. 

Eduardo Campos tem visão e o seu PSB é o maior partido do Nordeste, onde além de Pernambuco e Paraíba elegeu os governadores do Rio Grande Norte, Ceará e Piauí. 

Porém, ele precisa antes combinar com Lula. O detalhe que ele omite é que Pernambuco cresceu acima da média não só por ter um bom gestor no governo, mas por ter um Presidente como Lula, que tratou seu estado com especial atenção. 

Anexar a Paraíba é uma coisa, já o restante do Brasil vai ser bem mais difícil. Em tempo: do PSB era a ex-governadora Wilma Farias.