Fale Conosco

A Paraíba ficou em 5º lugar na Região Nordeste como estado com a tarifa de energia elétrica mais cara para o setor industrial.

O custo médio da energia elétrica para as indústrias paraibanas é de R$ 338,55 por megawatt-hora (MWh). Os dados foram divulgados ontem pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Os estados Maranhão (R$ 440,83), Pernambuco (R$ 381,77) Piauí (R$ 376,74) e Alagoas (R$ 361,55) têm maiores custos de energia para a indústria na Região,
Para o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba, Magno Rossi, o valor divulgado pela Firjan demonstra que o problema “perpassa pela tributação no valor da energia elétrica brasileira. Nós estamos perdendo competitividade. Apesar de não estarmos tão ruins em relação ao Nordeste, nossa posição não nos dá condições melhores de competir. A tarifa é um preço governamental, e o que vemos são excessos de impostos, que chegam a quase 45% do valor total”, explicou. Segundo ele, a carga tributária não se reverte em benefícios sociais e empresariais.

NO PAÍS
Os estados do Pará (R$ 505,72), Tocantins (R$ 441,83) e Maranhão (R$440,83) são os custos maiores do país. Já a mais barata (R$150,05) foi registrada no Amapá.

O gerente de Competitividade e Investimentos do Sistema Firjan, economista Cristiano Prado, informou que desde o início deste ano, o aumento totalizou 23%. A evolução da tarifa atinge 37% desde janeiro de 2013, quando foi registrada redução de 20% no custo para indústria. Em 2012, o custo médio era R$ 332 por MWh. Com a queda de 20% em janeiro de 2013, passou para R$ 263, subindo 11,5% ao longo do ano passado e atingindo R$ 293 em dezembro. Com o aumento de 23%, a tarifa média para a indústria alcançou R$ 360,72 o MWh. “A preocupação é que estamos com uma tendência de crescimento do custo no Brasil.

E energia é um insumo fundamental para indústria. Se o Brasil quer se tornar mais competitivo, vender mais produtos para o mundo e mais baratos para a população, não poderá conviver com o aumento no preço da energia”.

JP