Fale Conosco

Estava eu esta semana no Cachorro Quente do Zé, na Esperança, Manaíra, quando ao me dirigir ao caixa fui abordado por uma pessoa que me observava dentro daquele comércio e ao perceber que eu estava de saída me atalhou no caminho da porta, disse que era meu fan e, do nada, foi logo dizendo que sabia quem mandou matar e quem matou o radialista Ivanildo Viana.

Para ser mais preciso, o fato aconteceu quinta a noite, dois dias antes do aniversário de morte do amigo, e já na sexta eu fiz questão de registrar o ocorrido num grupo de Zap onde estão amigos jornalistas de confiança.

Falando baixo e bastante seguro do que estava dizendo, o personagem de aproximadamente 50 anos estava acompanhado da esposa, o que me leva a crê que não me seguiu até ali para me abordar num momento adequado.

O MANDANTE

“Leio e gosto muito do seu blog, principalmente de uma matéria recente sobre….”

Me permitam a reserva da informação, que vou guardar em off, por enquanto, pois não quero acusar duas pessoas sem ter provas concretas do envolvimento.

O argumento do denunciante me pareceu bem lógico e ele contou com algum detalhe os motivos do mandante, pessoa com inserção no mundo político, mas que não tem e nem nunca disputou mandato e apenas gravita em torno do poder político e tem intimidade com autoridade da área de segurança.

Desde que soube do assassinato de Ivanildo que desconfio que foi execução a mando.

Fui no seu velório e no seu enterro, escrevi artigos, invoquei a solidariedade dos sindicatos da categoria, mas nunca imaginei que uma informação tão próxima da realidade me chegaria assim meio que – acredito eu – de forma espontânea.

O EXECUTOR

Perguntei ao interlocutor se ele era policial, observei que seu cabelo tinha uma corte de oficial, mas também pode ser um policial civil.

Ele não buscou o anonimato para me contar o que me contou, mas no entanto pediu off, demonstrando conhecer nossa linguagem jornalística.

Quem contou o que contou sobre o comando que antecedeu a execução de Ivanildo, os motivos, a trama, sabia o que estava me contando e com riqueza de detalhes crível.

Agora entendo os motivos de a investigação não chegar a canto nenhum.