Fale Conosco

Neste dia 15 de outubro, data em que é comemorado o Dia do Professor, são completados 11 anos de uma das ações mais importantes de Cássio Cunha Lima já no primeiro ano à frente do Governo do Estado. Trata-se da implantação do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) da educação, que regulamentou a carreira e garantiu uma série de benefícios a categoria tão importante para a sociedade.

Candidato ao Governo do Estado pela Coligação “A Vontade do Povo”, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) afirmou que, caso seja eleito nas eleições do dia 26 de outubro, vai revisar o PCCR através de diálogo para melhoria do piso e das condições de aposentadoria dos professores.

– Precisamos que a categoria do magistério se encontre estimulada, preparada, reconhecida, com condições de trabalho e com boa remuneração, e comprometidos com o Novo Projeto de Educação da Paraíba, que iremos construir juntos – disse o senador Cássio.

Outro compromisso de Cássio com os profissionais do magistério é o retorno da Gratificação de Estímulo à Docência (GED), que fazia parte do Plano e foi retirada sendo substituída por uma bolsa, e da Gratificação de Estímulo à Atividade Pedagógica (Geap), que também foi cancelada na gestão do governador Ricardo Coutinho (PSB), que pleiteia a reeleição.

Assim como fez em sua primeira gestão, Cássio Cunha Lima pretende investir maciçamente na realização de concursos públicos para aumentar os quadros de profissionais da educação na Paraíba.

Outros avanços na educação na gestão de Cássio

Na sua gestão à frente do Governo do Estado, o senador Cássio Cunha Lima investiu milhões para garantir a melhoria da educação pública. Ao todo, 370 escolas foram reformadas e outras 36 foram construídas, ações que, somadas às melhorias salariais aos professores, garantiram que o Estado antecipasse as metas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) em dois anos.

Cássio também foi responsável pela expansão de novos campi e pela autonomia financeira da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que atualmente foi retirada pelo governador. Em sua nova gestão, o tucano vai retomar a autonomia garantindo o duodécimo, expandir ainda mais a Universidade e transformá-la em grande agência de formação de pessoas.