Fale Conosco

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adiou a apreciação do pedido de envio de tropas federais para auxiliar na segurança das eleições municipais no primeiro e segundo turnos, em Campina Grande. A ministra relatora, Nancy Andrighi, chegou a defender o pedido, embora alegasse que a solicitação do TRE e dos juízes previa a presença do Exército na cidade, a partir de 27 de setembro, ou seja, dez dias antes do dia do primeiro turno.

O ministro Marco Aurélio de Mello foi o primeiro a divergir. “Isso é uma intervenção branca”, proclamou o ministro. Para ele, no período de preparação das eleições, a segurança deve ser feita pela Polícia Militar da Paraíba.

Já a presidente do TSE, ministra Cármen Lúcia, questionou quanto a Justiça Eleitoral iria gastar com as tropas federais no período de 10 dias em Campina. Nancy Andrighi disse que o pedido do TRE paraibano não revelava os valores. Diante disto, Lúcia sugeriu a Andrighi que fizesse o levantamento para apresentar os valores nas próximas sessões, o que foi aceito e o processo foi retirado de pauta

O TRE tinha concordado, de forma unânime, com o requerimento de tropas federais assinado pelos juízes eleitorais das 16ª, 17ª, 71ª e 72ª zonas, respectivamente, Cláudio Antônio de Carvalho Xavier, Ruy Jander Teixeira da Rocha, Giovanni Magalhães Porto e Ely Jorge Trindade, que alegavam preocupação com o bom andamento do pleito e para evitar abusos, transgressões e acirramento, considerando histórico político do município. A Corte Eleitoral ainda acolheu as observações feitas pelo juiz corregedor Miguel de Britto Lyra Filho, para que as tropas federais cheguem à cidade 10 dias antes do pleito.

O comandante do 31º Batalhão de Infantaria Motorizado (BIMtz), tenente-coronel Walter Augusto Teixeira, já se reuniu com os juízes Ely Jorge e Ruy Jander para discutir o esquema de trabalho dos soldados do Exército. Caso aprovado o pedido, estarão à disposição da Justiça Eleitoral cerca de 600 homens, sendo 400 de Campina e o restante do 15º BIMtz, da capital, e da 7ª Brigada de Infantaria Motorizada de Natal (RN).

Fonte: Jornal da Paraíba