Fale Conosco

O governo está desidratando os investimentos públicos. No primeiro trimestre deste ano, houve uma redução de 61%, segundo dados divulgados pelo Tesouro nesta quinta (27).

Os gastos com o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), uma das principais vitrines do governo PT -que no mesmo período de 2016 ainda estava no poder-, recuaram 69%. Somado o Minha Casa, Minha Vida, 86%.

As informações são de reportagem de Mariana Carneiro e Maeli Prado na Folha de S. Paulo.

“Os investimentos são parte de um conjunto pequeno de despesas sobre o qual o governo tem controle, as chamadas despesas discricionárias. Elas representam cerca de 15% dos gastos, e recuaram 24% no trimestre.

Já os gastos com Previdência e com pessoal (incluindo aí despesas com a aposentadoria de servidores) subiram 5,2% e 7,1%, descontada a inflação do período.

A secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, afirmou que o ajuste nas despesas tem recaído sobre gastos sobre os quais o governo tem controle, ou seja, não obedecem a regras rígidas de dispêndio.

Segundo ela, isso fez com que essas despesas recuassem, no início deste ano, ao nível observado em 2011.

Já a Previdência ampliou o deficit em cerca de R$ 10 bilhões no trimestre, ante o mesmo período do ano passado, para R$ 40,1 bilhões.

Os números mostram que o resultado fiscal do governo não evoluiu neste primeiro trimestre, em razão de receitas deprimidas pela recessão e de despesas rígidas em alta.

A receita caiu 3,2%, já descontada a inflação, e a despesa caiu mais: quase 5%. Isso fez com o deficit cair levemente no trimestre, de R$ 18,7 bilhões para R$ 18,2 bilhões.”

Fonte:Brasil 247