Notícias

“Está com vontade sexual? Estupre, estupre, mas não mate”, defendeu Paulo Maluf, aliado de Daniella Ribeiro

Gostaria sinceramente de saber se as mulheres campinenses aceitariam votar em alguém que se alia a um político que, além de ser procurado em mais de 180 países pela Interpol por corrupção, ainda tem a tênue coragem de afirmar que o ato de estuprar é normal. Em 2006, o então candidato a deputado federal, Paulo Salim Maluf (PP) fez tal afirmativa.

Em entrevista à imprensa, Paulo Maluf disse abertamente que era a favor do estupro desde que preservasse a vida da violentada. Meu Deus em que mundo nós estamos! Como permitir que um homem sem escrúpulo como este, continue atuando como político e, pior estender a sua hipocrisia à grande Rainha da Borborema?

O ato de estuprar, por si só já é uma aberração e ouvir um político afirmar isso abertamente é mais aberração ainda. Gostaria de saber qual o posicionamento da sua aliada em Campina Grande, a pré-candidata pepista Daniella Ribeiro? Será que assim como Paulo Maluf, ela também é a favor de que o fato seja consumado, desde que se preserve à vida da vítima?

Seria salutar que a pepista parasse de passar essa imagem de boa moça e mostrasse de verdade a carapuça. Afirmar ser humilde, sensata, lúcida e que não segue às regras da família é pura balela. Deputada tenha coragem de refletir sobre o mal que sua família já fez a bela Rainha da Borborema e a Paraíba, sem contar as negociatas do seu irmão, o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, em Brasília para tentar desestabilizar o pleito eleitoral.

Ponha sua cara limpa e mostre quem você é de verdade, mostre a verdade sobre todo o mal que sua família já causou à Paraíba e ainda faz e você sabe do que estou falando. Quanto ao seu aliado, Paulo Maluf, que acredita que o ato de estuprar é normal, e como é normal também e de costume da sua família atuar com práticas violentas, saiba que as mulheres de Campina Grande saberão dar a resposta correta.

Confira abaixo a célebre frase de Paulo Maluf a respeito do estupro: “Está com vontade sexual? Estupre, estupre, mas não mate”.