Fale Conosco

Uma nova pesquisa sugere que consumir menos gordura dietética após ser diagnosticado com câncer de mama pode melhorar significativamente a taxa de sobrevivência de uma pessoa. Se o câncer é encontrado apenas no seio e não se espalhou para outras partes do corpo, 99% das pessoas que recebem tal diagnóstico passam a viver sem câncer por um período mínimo de 5 anos. E, se o câncer se espalhou para os linfonodos circundantes, 85% dos pacientes com câncer de mama têm a mesma taxa de sobrevida em 5 anos. No entanto, essa taxa cai para 27% se o câncer tiver viajado para partes distantes do corpo.

Alguns estudos revelaram que ser obeso, por exemplo, aumenta o risco de recorrência do câncer de mama, até mesmo a morte, em 35% a 40%. Os pesquisadores examinaram 19.541 mulheres diagnosticadas com câncer de mama que reduziram sua ingestão de gordura em 20% e aumentaram a quantidade de frutas e vegetais que consumiam.

Os pesquisadores também examinaram um grupo controle de 29.294 pacientes com câncer de mama que continuaram suas dietas habituais. As intervenções dietéticas duraram, em média, 8,5 anos, enquanto a análise realizada pelos pesquisadores ocorreu em média 11,5 anos após o diagnóstico. O estudo revelou que a sobrevida global do câncer de mama foi significativamente maior para as mulheres no grupo de intervenção dietética do que no grupo de comparação de dieta habitual. De fato, a taxa de sobrevivência de 10 anos para as mulheres que consumiram menos gordura foi de 82%, em comparação com 78% no grupo de controle.

Exame.com