Fale Conosco

É extremamente difícil encontrarmos na vida uma pessoa tão competente e coerente como Oscar Niemeyer. Dificilmente veremos um ser humano igual ou pelo menos parecido com ele.

Hoje foi a vez dos brasilienses se despedirem do corpo de Oscar Niemeyer na capital federal. O velório foi aberto ao público por volta das 16h30, logo após o fim das homenagens de autoridades e familiares, no Salão Nobre do Palácio do Planalto.A presidenta Dilma Rousseff e a viúva Vera Lúcia, além de outros familiares do arquiteto, receberam o corpo.

Niemeyer subiu a rampa do Palácio do Planalto nos braços de cadetes da Polícia Militar do Distrito Federal e ladeado por 48 integrantes dos Dragões da Independência, às 15h50.As pessoas que esperavam para a despedida na Praça dos Três Poderes aplaudiram o arquiteto, assim como governadores, ministros e outras autoridades presentes no Salão Nobre. Em seguida, se fez um minuto de silêncio pela memória de Oscar Niemeyer.

Os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), da Câmara, Marco Maia (PT-RS), e do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, foram os primeiros a se aproximar do caixão e a oferecer pêsames à família.Antes de chegar ao Palácio do Planalto, Niemeyer recebeu uma salva de 21 tiros na Base Aérea de Brasília.

Até chegar ao local do velório, o corpo desfilou em carro aberto pelo Eixo Rodoviário, principal avenida de Brasília. No caminho, várias pessoas paravam os carros para aplaudir e prestar a última homenagem àquele que é considerado um dos principais responsáveis pela criação de Brasília. “É uma homenagem que a sua filha faz a ele. A filha Brasília”, definiu o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande.

A presidenta Dilma Rousseff permaneceu por cerca de 20 minutos no salão onde ocorre o velório. Ela ofereceu a sala de audiências do Palácio do Planalto para que a família possa se recolher quando achar conveniente, uma vez que a viúva Vera Lúcia se mostrou muito emocionada em alguns momentos.A previsão é que o velório aconteça até as 20h, mas a homenagem pode ser encerrada antes, se a família desejar.

Oscar Niemeyer é a terceira pessoa a ser velada no Palácio do Planalto. Antes dele, apenas o ex-presidente Tancredo Neves e o ex-vice-presidente José Alencar tiveram a última despedida no local.

 

Fonte: Jornal do Brasil