Fale Conosco

Alvo de críticas pela condução da pandemia e na administração em geral nesses primeiros meses de 2021, a gestão do prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), completa no próximo sábado, 10 de abril, seus primeiros cem dias à frente do comando da cidade. Dentro desta realidade o portal fez um levantamento prévio de citações na imprensa por servidores e sindicatos, avaliando a gestão de continuidade de Bruno, que veio do seu antecessor o ex-prefeito Romero Rodrigues (PSD).

Paralisações e fura filas – Tema vigente a pandemia, a administração de Bruno Cunha Lima vem sendo alvo de falhas, segundo afirma o Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais de Campina Grande (Sintab-CG), em seu site (https://sintab.org.br/), onde destaca que os servidores do apoio da prefeitura retomaram a paralisação das suas atividades presencias devido ao alto risco de contágio pela Covid-19; criticam ainda a desorganização na distribuição das vacinas com os servidores e população em geral, inclusive o Ministério Público já instaurou investigação para apurar casos de fura-filas na vacinação na cidade. Para mais detalhes clique aqui.

Campina maior taxa de transmissibilidade – A gestão de Bruno, nesses primeiros cem dias, também foi destaque nacional por ser o município paraibano com maior taxa de transmissibilidade (Rt) da Covid-19.

Ranking de eficiência – Outro ponto que chama a atenção na administração do pessedista é no tocante ao ranking de eficiência, que considera a relação de doses recebidas e aplicadas. Campina Grande não figura, por exemplo, sequer entre os quarenta municípios paraibanos mais eficientes.

De acordo com levantamento, com base nos dados do Ministério da Saúde, Campina recebeu 81.657 doses e aplicou 51,5%, o que corresponde a 42.088 imunizações até o último domingo (04). Já João Pessoa tem 72,4% de eficiência, com 127.759 pessoas vacinadas, com pelo menos uma das duas doses, das 176.509 recebidas até o momento. Dos 223 municípios paraibanos, trinta e oito cidades superam a marca de 70% de eficiência, com destaque para o pequeno município de Assunção, no Cariri, que aplicou 518 doses das 610 recebidas. Veja mais informações neste link.

Cabide de empregos – A administração de Bruno também foi destaque na imprensa paraibana recentemente, noutro âmbito, a das velhas práticas da ‘cabide de empregos’ para pessoas sem concurso. Ocorre que o Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), por meio do seu Sistema de Acompanhamento Online (Sagres), revelou a folha do mês de janeiro deste ano, na qual destaca que o gestor já nomeou mais de cinco mil pessoas, muitas das quais ligadas diretamente a sua pessoa e com altos salários.

Segundo o Sagres, o modelo de gestão de Bruno em muito se parece com o do ex-prefeito Romero Rodrigues (PSD), pois além de ambos serem alvos de alertas do TCE-PB por irregularidades nas suas gestões, Bruno foi alvo de um alerta em 18 de março, pelas indicações politicas de pessoas sem concurso. Em janeiro de 2021, segundo o Sagres a PMCG tem exatas 5.105 pessoas sem concurso, entre comissionados e cargos de excepcional necessidade.

Dentre esses estão: João Paulo Spencer que é assessor direto da vereadora Eva Gouveia, dito como a pessoa que resolve tudo dentro do PSD, vale ressaltar também que de acordo com o TCE-PB, este, desde janeiro deste ano, está lotado como comissionado na Câmara Municipal de Campina Grande, recebendo a quantia de R$ 10 mil.  Além disso, também está designado no gabinete do prefeito como comissionado, recebendo quantia de R$ 6.138. Portanto, esse servidor estaria acumulando funções em horários semelhantes.

Também estão nomeados Francisco Carlos Ferraz de Sena (motorista de Bruno), lotado no gabinete do prefeito ganhando R$ 4.138; Narciso Virginio Guimarães Junior (segurança de Bruno e da primeira-dama), nomeado para o gabinete do prefeito ganhando R$ 3.500; Rawide Hicaro de Melo Alves (fotógrafo do prefeito), designado para o gabinete do prefeito ganhando R$ 3.500; Roberto Alessandro Rodrigues Santa Cruz, ganhando R$ 8.000; Helga Valeria Casulo de Araújo (mãe de um amigo de Bruno), lotada na secretaria de Obras, ganhando R$5.500; Carlos Artur Sousa Marques (Filho do ex-deputado Carlos Dunga), nomeado para a secretaria de Planejamento, ganhado R$ 4.000 e o padrasto do prefeito Bruno, o senhor Alexandre Pereira de Farias, lotado na secretaria de Assistência Social, ganhando R$ 8.000; o irmão do padrasto de Bruno, Carlos Sérgio Pereira de Farias, designado  no Fundo Municipal de Saúde, ganhando R$11.153,51. Outro indicado por Bruno é o seu cunhado, Tito Lívio, diretor do complexo Pedro I, responsável pelo hospital referência no combate ao novo coronavírus.