Fale Conosco

Carga com 2,1 milhões de doses e também insumos suficientes para a produção de mais 3 milhões de imunizantes da vacina Coronavac, chegou na manhã desta quinta-feira (24) ao Aeroporto Viracopos, em Campinas. Foi o quarto lote da farmacêutica chinesa Sinovac, que tem acordo com o Butantan.

O voo da China fez uma escala em Zurique, na Suíça, e pousou em São Paulo por volta de 5h30.

De acordo com o governo de São Paulo, é a maior remessa do imunizante desembarcada no Brasil. A vacina da Sinovac concluiu a fase 3 de testes e ainda precisa de aprovação Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A eficácia da vacina CoronaVac no combate ao novo coronavírus é o dado mais aguardado sobre o imunizante desenvolvido pela Sinovac. O anúncio estava previsto para quarta-feira (23), mas foi adiado pelo governo de São Paulo, que tem acordo para compra de doses que serão envasadas pelo Instituto Butantan.

Eficácia

Qual é a taxa de eficácia da vacina? O valor não foi anunciado mas, segundo o secretário de Saúde do estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, foi superior ao valor mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 50%.

A taxa de eficácia é um conceito que se aplica a vacinas na fase 3 de estudos (última fase dos testes em humanos). Ela representa a proporção de redução de casos entre o grupo vacinado comparado com o grupo não vacinado. Na prática, se uma vacina tem 90% de eficácia, isso significa dizer que 90% das pessoas que tomam a vacina ficam protegidas contra aquela doença.

Estudo da fase 3

Quais os dados completos do estudo da fase 3? Os dados não foram divulgados. É aguardado que os desenvolvedores submetam suas conclusões ao comitê de uma revista científica. Além da revisão dos pares, a publicação deve esclarecer detalhes como eficácia em diferentes faixas etárias, segurança (reações adversas) e, entre outros, quanto tempo após a segunda dose a imunidade é atingida.

No Brasil, a vacina foi testada em 16 centros de pesquisas, em sete estados e no Distrito Federal. Treze mil voluntários brasileiros participaram dos testes.

Plataforma da vacina

A CoronaVac usa vírus inativados. Esta técnica utiliza vírus que foram expostos em laboratório a calor e produtos químicos para não serem capazes de se reproduzir.

Divulgação dos resultados

O governo de São Paulo adiou pela segunda vez a divulgação de resultados. Nesta quarta-feira (23), A previsão inicial era divulgar eficácia do imunizante no dia 15 de dezembro. A apresentação foi adiada para esta quarta-feira (23) e, então, o anúncio foi postergado novamente.

Também estava previsto para esta quarta o envio dos dados de eficácia à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Segundo Dimas Covas, o envio dos resultados à Anvisa vai ocorrer somente após a Sinovac analisar os resultados enviados pelo Butantan nesta quarta (23).

Total de doses negociadas

Governo de São Paulo afirma ter comprado 46 milhões de doses. Desse total, seis milhões foram importadas prontas da China, enquanto as demais 40 milhões serão preparadas na fábrica do Butantan.

Segurança e resposta imune

Estudo publicado em revista científica aponta que ela é segura e produz resposta imune. Os resultados publicados na revista científica “The Lancet” tratam dos estudos de fase 1 e 2 com 743 pacientes. O efeito colateral mais comum relatado foi dor no local da injeção.

Segundo a pesquisa, as respostas de anticorpos foram induzidas no prazo de até 28 dias após a primeira imunização. Os pesquisadores não avaliaram também o comportamento das células T (ou linfócitos T), que fazem parte do sistema imunológico e são capazes de identificar e destruir células infectadas.

De acordo com a pesquisa, a taxa de anticorpos neutralizantes encontrada no sangue dos voluntários esteve abaixo (entre 2,5 e até seis vezes) do que é verificado em pacientes que já foram infectados pela Covid. Apesar deste dado, os pesquisadores afirmaram à revista The Lancet que acreditam que a CoronaVac pode fornecer proteção suficiente contra Covid-19, avaliação que eles fizeram com base em suas experiências com outras vacinas e nos dados de estudos pré-clínicos com macacos.

Armazenamento e transporte

A vacina utiliza esquema já consagrado de armazenamento e transporte. A CoronaVac pode se armazenada em refrigeração padrão, como a vacina da gripe. Ela também pode ser armazenada por até três anos, o que ofereceria algumas vantagens para a distribuição.

Compra pelo governo federal

O governo de São Paulo ainda aguarda a formalização da compra da vacina pelo governo federal. A utilização da CoronaVac no Programa Nacional de Imunizações (PNI) foi alvo de disputa política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria.

Em 20 de outubro, o ministro Eduardo Pazuello chegou a anunciar a compra da vacina em uma reunião com governadores. No dia seguinte, Bolsonaro desautorizou publicamente o ministro. Depois de pressão de governadores e até do Supremo Tribunal Federal (STF), o governo voltou atrás e retomou as negociações.

Autorização de uso

Imunizante ainda não tem autorização de uso no Brasil. Dados parciais sobre a vacina já foram enviados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas não houve ainda pedido de uso emergencial ou de registro definitivo.

Na China, ela foi aprovada em julho para uso emergencial. A aprovação é parte de um programa do país asiático para vacinar grupos de alto risco, como médicos.

Onde será usada

Além do Brasil, quatro países planejam usar ou já usam a Coronavac: China, Indonésia, Turquia e Chile.

A vacina não está listada entre as já monitoradas pela iniciativa Covax Facility, comandada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O objetivo da OMS é acelerar compras e garantir que mais países tenham acesso aos imunizantes.

G1