Fale Conosco

Além do apoio externado pelo vereador Renan Maracajá ao pré-candidato a prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima, indicado por Romero para dar continuidade à hegemonia de seu grupo político no comando da PMCG, Renan também conta com outro apoio de peso para a tentativa de renovar o seu mandato de vereador, mesmo tendo sido condenado a 36 anos e 10 meses de prisão por envolvimento na Operação Famintos: o do ex-senador Cássio Cunha Lima.

Em vídeo que circulou nas redes sociais esta semana, Cássio, que não conseguiu se reeleger na eleição passada, ficando em 4º lugar na disputa para o Senado, também demonstra seu carinho e atenção pelo hoje vereador condenado no âmbito na Operação Famintos.

No vídeo, Cássio pede votos para Renan e afirma que ele faz parte da nova política, não por coincidência termo que tem sido usado por Bruno Cunha Lima nas entrevistas e por seus aliados, ao defender o seu nome para continuar o legado de Romero na PMCG.

“Um jovem que trará, com certeza, um trabalho importante por Campina Grande, sangue novo na Câmara Municipal, com talento, disposição de trabalho, de fazer, está ao lado de Romero”, afirma Cássio, sobre o vereador envolvido no escândalo do desvio da verba da merenda. “Renan Maracajá, com certeza, é um fato novo na política de Campina, seguramente trará uma postura diferenciada na Câmara Municipal”, afirmou o ex-senador.

Assista:

CONDENAÇÃO DE RENAN

Renan Maracajá foi condenado a 36 anos e 10 meses de prisão na Operação Famintos, desencadeada pela Polícia Federal e que descobriu a atuação de uma ORCRIM – Organização Criminosa com fraudes milionárias na Prefeitura de Campina Grande, na atual gestão do prefeito Romero Rodrigues, que desviava dinheiro da merenda escolar que seria destinada às crianças e jovens das creches e escolas da rede municipal de ensino em Campina.

De acordo a Polícia Federal, Ministério Público Federal e Controladoria Geral da União, Renan Maracajá teria participado de ajustes com outros empresários para ‘lotear’ licitações da merenda escolar utilizando empresas de fachada. Uma delas, a Lacet Comercial, estaria em nome de ‘laranjas’, mas seria administrada pelo vereador. Em virtude da participação na ‘Orcrim da Merenda’ dentro da gestão Romero, a Justiça Federal na Paraíba aceitou a denúncia do MPF e condenou à prisão 16 pessoas, entre elas o vereador de Campina Grande Renan Maracajá, condenado a 36 anos e 10 meses.

O grupo de pessoas do chamado ‘núcleo empresarial da operação’ praticou os delitos de organização criminosa, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, fraude ao caráter competitivo de procedimento licitatório e obstrução de Justiça. Veja detalhes da condenação de Renan: https://portalcorreio.com.br/justica-federal-condena-renan-maracaja-e-outros-15-na-famintos/