Fale Conosco

Já é dada como certa a cassação do vice-prefeito afastado de Bayeux, Luiz Antônio (PSDB), na próxima quarta-feira (04), pela Câmara Municipal da cidade. Pelo menos doze vereadores devem votar pela cassação do ex-gestor e cinco contra. A votação está marcada para às 10h.

Com o resultado, Luiz Antônio perderá o mandato definitivamente, abrindo espaço para o atual prefeito interino Mauri Batista continuar no comando da prefeitura, sem o risco de Luiz Antônio voltar ao cargo. O entendimento entre os vereadores é que não há mais clima para o troca-troca de prefeitos no comando da cidade.

Deverão votar pela cassação de Luiz Antônio os vereadores Cabo Rubem (PSB), Luciene de Fofinho (PSB), Lico (PSB), Jefferson Kita (PSB), Zé Baixinho (PMN), Dedeta (PSD), Netinho (PSD), Adriano do Táxi (PSL), Uedson Orelha (PSL), Danyelle Caetano (PSL), França (Podemos) e Guedes da informática (Podemos), atingindo 12 votos, que é a quantidade mínima exigida para que haja a cassação. Outros vereadores ainda poderão decidir por esse caminho.

Afastamento

Luiz Antônio foi afastado do cargo de prefeito na quarta-feira (21), com base em decisão do desembargador Arnóbio Alves Teodósio, do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB).  Desde então a cidade é governada de forma interina pelo presidente da Câmara, vereador Mauri Batista (PSL).

Se os vereadores aprovarem a cassação do mandato de Luiz Antônio na quarta-feira (03), como está previsto, ele perderá o cargo definitivamente.

As acusações

Luiz Antônio foi filmado, em julho do ano passado, supostamente solicitando propina ao empresário Ramon Acioly, a fim de usar  o dinheiro para divulgar um material comprometedor contra o então prefeito da cidade, Berg Lima. O vídeo da conversa foi divulgado pela imprensa no mês de outubro.

O que diz a defesa

O advogado Fábio Andrade, que defende o prefeito afastado, disse que a expectativa da defesa é que o pedido de cassação seja arquivado. O advogado afirmou que Luiz Antônio está sendo vítima de perseguição. Confira a resposta da defesa abaixo.

“A expectativa é que a Câmara rejeite o pedido de cassação porque não houve violão ao que determina a legislação aplicável ao caso. Luiz Antônio em momento algum agiu contrariando o decoro e a dignidade do cargo. Ele está sendo vítima de uma implacável perseguição política por parte dos parceiros de Berg Lima na Câmara Municipal”. Fonte: PolêmicaParaíba