Política

Toda eleição tem um homem da mala, que se acha tão mala a ponto de não precisar abri-la

Em 2015 eu disse que o senador Raimundo Lira seria o “inverno de 2016”, referindo-se ao fato de que o empresário abriria o cofre e faria chover na horta de muitos candidatos”.

Errei feio e Lira manteve a mala fechada e, quem estava esperando que ele fizesse chover, acabou perdendo a lavoura da eleição municipal.

Como Lira, muitos homens da mala criaram essa expectativa de que despejariam sua fortuna numa eleição e na hora do vamos ver só chegaram corinhos de rato.

Ney Suassuna alimentou esse esteriótipo de ricão disposto a repartir o que ganhou com a classe política e cabos eleitorais.

Quem conhece a história de perto, sabe que tem muito bafafá. E que quando o candidato é rotulado de “homem da mala” tudo inflaciona e fica mais caro pra ele e, numa logística reversa, ao frustrar a expectativa acaba favorecendo o concorrente liso com o voto de protesto de quem foi enganado pelo homem da mala e vota no adversário dele de graça só pra dá o troco.

Estaria Lira repetindo a sina dos outros homens da mala derrotados na Paraíba por prometerem uma chuva de dinheiro que até hoje não molhou a mão de ninguém?

 

Dércio Alcântara

Tags: Tags: