Brasil

Suspeição de Moro ganhou ares de beatificação

Gilmar Mendes colocou o Supremo numa enrascada ao surfar o caso das mensagens trocadas entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol. O ministro achou que seria uma boa ideia devolver à pauta da Segunda Turma um habeas corpus que guardava na gaveta havia seis meses. Nele, a defesa de Lula pede a suspeição de Moro, a anulação do caso do tríplex e a libertação do presidiário petista. Inicialmente marcado para esta terça-feira, o julgamento subiu no telhado.

Não é preciso que um hacker invada o celular de Gilmar para saber o que o ministro pensa sobre a Lava Jato. Diante das lentes da TV Justiça, Gilmar já se referiu aos procuradores de Curitiba como “gentalha”, “gente desqualificada”, “despreparada”, “covarde”, “gângsteres”, “cretinos” e “infelizes”. Acusou-os de integrar “máfias, organizações criminosas.” Disse que “força-tarefa é sinônimo de patifaria.”

Veja a análise completa de Josias de Souza:

Da redação

Tags: Tags: