Fale Conosco

Não acreditando naquela máxima de que quem planta vento colhe tempestade, os três patetas vieram hoje à boca do palco com um discurso sincronizado para apimentar a ópera bufa.

O governador, o secretário de Comunicação e o tutor de Agra que responde pela Transparência, Ricardo, Nonato e Urquiza, respectivamente, repetem a exaustão os bordões de uma marmelada que os paraibanos não acham a menor graça.

O chefe do Coletivo elegeu o senador Vital Filho em sua alça de mira, o braço direito focou o prefeito Veneziano e o braço esquerdo foi escalado para justificar o injustificável.

UM É O CARA, O OUTRO NÃO

Ao culpar Vitalzinho pela contenda com Pernambuco por conta do apartheid no processo de seleção dos funcionários da futura fábrica da Fiat, o governador reforçou a opção pelos paraibanos do senador, que vive um de seus melhores momentos no plano estadual e nacional, cotado até para suceder Sarney na presidência do Senado.

Talvez Ricardo não saiba, mas Vital Filho cursou e concluiu direito e medicina ao mesmo tempo e, convenhamos, não é para qualquer um encarar um desafio desses, pois o próprio Ricardo vive um frustração notória por nunca ter conseguido passar em um vestibular de medicina.

Ao contrário de RC, Vitalzinho vive um momento de muita luz e tem aparecido na mídia nacional por coisas positivas, a exemplo do fato de ter liderado o movimento que resultou na aprovação da divisão justa dos royalties do Pré Sal.

Ricardo vive sendo denunciado por desvio de recursos na merenda escolar e livros de estudantes carentes; Vital é festejado pela coragem de lutar pela distribuição de renda que tira dos grandes e divide com os pobres.

 EXAGUANTE BUCAL

Mas, não bastando o esperneio de um governador desgovernado, vem o seu Rasputim acusar Veneziano de insuflar a opinião pública de Campina contra o governo estadual, como se a opinião pública precisasse de incentivo para se irritar com um governador que até hoje só deu motivos para a impopularidade que ostenta.

Secretário Nonato Bandeira, lave a boca toda vez que se referir ao povo de Campina, que se une sempre que alguém não trata bem seus conterrâneos.

O AMIGO DE PIETRO

E quanto ao transparente Urquiza, que andava com Pietro para cima e para baixo em João Pessoa em um Camaro vermelho, e que veio a público cinicamente dizer que foi um acaso aquele cheque de 2,3 milhões ter sido sacado em Santa Luzia pelo pareceiro, eu lhe avivo a memória dizendo que em Taperoá foram sacados dezenas de cheques sempre pelo mesmo portador: Pietro Harley, até ontem seu fiel escudeiro.

Encurralados por denúncias e escândalos sistemáticos, os três patetas batem cabeça no sanatório geral.

Mas, aguerrida, a Paraíba sobreviverá as patetadas. No vídeo que eu recomendo como imperdível a seguir, os personagens e situação são mera coincidência.