Fale Conosco

A prefeitura de Campina Grande revelou que após sete anos de ‘jejum’ vai pagar amanhã a primeira parcela do 13º salário dos servidores. A antecipação não acontecia desde setembro de 2014, conforme o Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais do Agreste e Borborema (Sintab), que aproveitou para lembrar diversos descumprimentos nos direitos trabalhistas que vem desde a gestão passada, tendo continuidade na atual gestão do prefeito Bruno Cunha Lima (PSD).

Para a quitação do 13º, só no caso do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Campina Grande (Ipsem), o desembolso de recursos para contemplar os aposentados e pensionistas é da ordem de R$ 5,2 milhões. Outros R$ 7,7 milhões dizem respeito à parcela parcial do 13º de comissionados e efetivos.

DESCUMPRIMENTO DOS DIREITOS TRABALHISTAS – “A Data-Base não é cumprida; indicamos representante para a comissão da Lei do Previne Brasil para ser enviado à Câmara e nada; a comissão do Plano de Cargos da Saúde foi desativada; enquanto que o Plano de Cargos dos ACS/ACE está congelado desde 2016, sem nenhum avanço”, explicou o presidente do Sintab Giovanni Freire.

Os servidores da saúde estão na linha de frente do combate à Covid-19, correndo o risco de vida e de serem contaminados, não obstante todo esse contexto, ainda há descaso com as condições de trabalho, que mesmo com os recursos recebidos do governo federal, foram entregues EPIs (equipamentos de proteção individual) sem qualidade. “Por respeito a população, deveríamos estar em greve nesse momento. Motivos não faltam aos servidores da saúde”, concluiu Giovanni.

Napoleão Maracajá lembrou que os servidores de Campina Grande estão a 3 anos sem reajuste e criticou a falta de sensibilidade da atual gestão que não conversa e não dialoga com a sociedade, com os servidores e com o sindicato. “Há mais de 1 ano as crianças pobres desta cidade estão sem receber merenda e não há uma única fala do prefeito nesse sentido”, criticou Napoleão. VEJA MAIS: https://sintab.org.br/campina-grande-servidores-da-saude-cobram-da-prefeitura-efetivacao-dos-direitos-trabalhistas/