Fale Conosco

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba (Stiupb), Wilton Maia Velez, se reuniu hoje (27) pela manhã com cerca de 70 trabalhadores da Cagepa e denunciou o descaso por qual passa a empresa, por conta da má administração da atual diretoria da Cagepa. O encontro também deu início a campanha salarial de 2014.

Segundo o presidente do Stiupb, a empresa paga a diária de mais 50 carros locados e não utiliza esses automóveis. “Esses veículos locados estão todos parados no pátio da empresa, sem nenhuma utilidade, assim como veículos que são de propriedade da Cagepa, que têm condições de estarem servindo aos trabalhadores e a população, mas não estão por causa do descaso da diretoria”, afirmou.

Conforme o presidente Wilton Maia, a Cagepa também não paga a conta de energia há três meses e o mesmo vem ocorrendo com o repasse do dinheiro do sindicato que não está sendo feito com regularidade há três meses, além do deposito do FGTS dos funcionários que a empresa tem atrasado com frequência. “A empresa não está comprometida com nós trabalhadores que levantamos todo dia cedo para resolvermos os problemas da população. É um absurdo o que está administração está fazendo, a perseguição que nós do sindicato estamos sofrendo, por defendermos as causas dos trabalhadores. A diretoria da CAGEPAnão está fazendo o repasse do sindicato e com isso, temos enfrentado grandes dificuldades nas nossas patrulhas sindicais, muitas vezes sequer temos condições de hospedagem para atendermos os trabalhadores diversas cidades do interior que são abandonados pela Cagepa”, disse.

De acordo com o Stiupb, a administração também não está fazendo o repasse dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) aos funcionários e negligência as unidades da Cagepa do interior, que não oferecem as mínimas condições de trabalho para os funcionários.

O STIUPB também questiona porque a diretoria da CAGEPA ainda não recolheu os R$150 milhões do empréstimo solicitado e já aprovado pela Caixa para sanar dívidas da Cagepa. ” A administração ainda não pegou esse dinheiro porque sabe que ele tem que ser utilizado para sanar as dívidas de todos os outros empréstimos que ela tem e com quinze dias entregar um balanço na Assembleia Legislativa, sob pena de cassação do governador e de crime de improbabilidade administrativa”, frisou o presidente.