Fale Conosco

O deputado Anísio Maia (PT) se revoltou com as políticas públicas de combate a seca no Nordeste.

Em artigo, o petista critica as ações paras amenizar os efeitos da estiagem na região e faz uma série de indagações.

“O que  justifica o silêncio das lideranças do Estado diante  desta GRAVE CRISE ? Porque   esses governantes acabam se  contentando  com algumas migalhas? As palavras de Anísio ecoam como palavra ao vento.

Confira o artigo:

 Ninguém na região tem dúvida que a SECA é o maior problema a ser enfrentado pelos nordestinos. Mas o que  justifica o silêncio das lideranças do Estado diante  desta GRAVE CRISE ?

O esforço da nossa Assembleia Legislativa com o SOS SECA  poderia ter uma repercussão bem maior  se a  bancada federal assumisse com força esta bandeira na Câmara Federal, mas esta mal toca no assunto.  O pior é que o nosso Governo Estadual  segue o mesmo caminho dos demais do Nordeste  se limitando a PEDIR, PEDIR E PEDIR,  como se nós não tivéssemos todo o direito de cobrar.

Porque   esses governantes acabam se  contentando  com algumas migalhas?

Para o SUL-Sudeste as cifras das verbas são na casa dos bilhões, para o nordeste descem para  alguns milhões. Ou nossas lideranças não tem coragem de cobrar medidas efetivas para enfrentar de verdade o problema ou não possuem visão de estadistas para pensar grande.

O ASSISTENCIALISMO, MAIS UMA VEZ, VIRA FESTA

Se  a maioria das lideranças políticas se contentam com a condição de verdadeiros mendigos, não podemos esperar mais da  população afetada, que se limita a cobrar paliativos e acaba entrando no jogo dos políticos tradicionais que adoram esse tipo de assistencialismo. Uma pipa de água aqui, uma cesta básica ali, uma ração em outro local, e ASSIM ELES VÃO FAZENDO A FESTA. Isto para não falar dos discursos emocionados lamentando o gado que morreu, a lavoura perdida, etc.

Quando é que vamos criar coragem para cobrar o que temos direito. Até quando os nordestinos vão aceitarser região de segunda classe?

O que representa para um BRASIL que acumula US$ 500 bilhões de dólares com reservas, gastar R$ 4 bilhões de reais por ano com um PROGRAMA NACIONAL ESPECIALMENTE VOLTADO PARA O PROBLEMA. Ou será que achamos que o Bolsa Familia é tudo o que merecemos?

AS DIFERENÇAS REGIONAIS CONTINUAM

Uma coisa tem que ficar claro. O Estado Brasileiro não conseguiu diminuir o nosso desequilíbrio regional. Não venham com esta estória de dizer que o Nordeste está melhorando. Isto é uma verdade, mas o sul-sudeste também está em igual proporção.  Não é a toa que nos últimos cinquenta anos só conseguimos evoluir em relação ao PIB brasileiro míseros 1,4%.  Passamos de 11,9% para 13,5%, apesar de nossa população representar 28% da população do nosso país. Quem tiver dúvida é só pesquisar os investimentos do BNDES e verá que menos de 10% é direcionado ao Nordeste.

Chegou a hora de cobrarmos com força a nossa dívida social.

JÁ SABEMOS COMO CONVIVER COM A SECA.

  O que precisamos é de recursos  na proporção da dimensão do problema.  Mas,  isto só acontecerá se o Governo Federal se sensibilizar com isto.
É evidente que os recursos até agora investidos para fazer face ao problema são insuficientes, pois, o NORDESTE precisa enfrentá-lo com um PROGRAMA NACIONAL DE AÇÕES PARA CONVIVÊNCIA COM A SECA, que represente uma VONTADE NACIONAL e não algumas cifras de um orçamento desigual.

Agora chegou a hora, a paciência dos nordestinos está chegando no limite. Alguém tem que gritar: DE PÉ NORDESTINOS!  Se não temos estadistas a altura do gesto o povo poderá construir um.

ANISIO MAIA