Fale Conosco

O ministro da Defesa, Celso Amorim, disse nesta terça-feira, 30, que acredita que o projeto de lei que cria a Comissão da Verdade será votado no Congresso em setembro. Ele ressaltou que chegou a hora de “virar a página” sobre o tema. A proposta foi enviada em 2010 e tramita desde então na Câmara. A expectativa do Ministério da Defesa é a de que seja aprovado sem alteração o texto enviado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Eu acho que será em setembro, é importante e nós temos de virar essa página”, afirmou, após participar do 6º Seminário Livro Branco de Defesa Nacional, promovido na capital paulista.

Veja também:
link Maria do Rosário critica site da Rota e governo de SP
link Entidades exigem do governo cumprimento de sentença da OEA sobre Araguaia
link Para indigenista, Brasil esqueceu massacres de índios na ditadura
link Dilma sente orgulho do que fez na ditadura, conta ex-marido
link Direitos humanos é preocupação principal da política externa, diz Dilma

Amorim diz que 'é importante virar a página' - Sebastião Moreira / EFE 30.08.2011
Sebastião Moreira / EFE 30.08.2011
Amorim diz que ‘é importante virar a página’

 

 

Mais cedo, no mesmo evento, o assessor especial do Ministério da Defesa, o ex-deputado federal José Genoino havia afirmado que a expectativa é mesmo de que o projeto seja apreciado e votado em setembro. Disse também que o Ministério da Defesa já havia discutido o assunto com o PSDB, DEM, PPS e PV, além dos partidos da base aliada.

 

O ministro destacou que o projeto é “adequado” e “satisfatório” tanto do ponto de vista das Forças Armadas como de boa parte daqueles que militam em favor dos Direitos Humanos. “No governo federal, existe acordo e é importante que o projeto enviado seja aprovado”, afirmou. “Tenho falado com lideranças da Câmara dos Deputados e do Senado e tenho encontrado uma boa receptividade”, acrescentou. Em sua proposta original, o projeto possibilita o esclarecimento de casos de violação de Direitos Humanos durante a ditadura militar.

Com Estadão