Notícias

Pressão das ruas incorpora apelo popular ao pedido de impeachment de Dilma

Um governo que não soube administrar a pequena diferença que lhe levou a vitória e ainda perdeu o apoio de quem sufragou voto numa proposta que depois do pleito se confirmou como estelionato eleitoral, perdeu a legitimidade e a pressão das ruas pede a abreviação do seu fim precoce.

Dilma não governa mais, o PT caiu em desgraça e a liderança de Lula vai sendo minada pelos rastros do Petrolão em sua direção.

A esquerda que levamos ao poder quando derrotamos a ditadura fez o que esperávamos e o que não esperávamos , na mesma proporção.

Se de um lado os dois governos Lula e o primeiro Dilma fizeram o Brasil avançar em várias áreas e distribuiu renda para o pobres como nenhum outro governo fez até hoje, de outro o partido sucumbiu a corrupção e não tem como explicar ao povo as manchetes com evidências que se multiplicam, levam e lavarão a cadeia seus principais líderes.

Sou pela legalidade e tenho posições firmes contra o retrocesso democrático e volta da ditadura, como setores ameaçam, mas não posso deixar de endossar o que a maioria soberana da nação clama neste momento: a saída da presidenta Dilma da presidência.

Ela não comanda mais nada, o governo dela não tem condições de unir o país para uma reação que desembaralhe a crise politica e econômica e antes que mais postos de emprego sejam seivados, pelo bem de todos Dilma tem que patrioticamente pedir pra sair.

O mesmo argumento que eu usava para embasar a defesa da legalidade e manutenção do governo eleito, invoco agora a democracia das ruas para também dizer que o governo acabou e o PT também.

A grande pergunta agora é: como fazer a transição e para quem?