Fale Conosco

Uma reforma feita e inaugurada no ano passado, em período político, para mostrar o espírito empreendedor do governador Ricardo Coutinho Paraíba afora e influenciar nos votos do eleitorado.

Depois, tudo voltou a estaca zero e o Pavilhão do Chá continua fechado, em pleno centro da cidade, ao lado do Tribunal de Justiça e do Palácio da Redenção.

Este é o governo municipal, que se preocupa em fazer praças, reformar outras, mas não consegue concluir obras que são fundamentais para o espaço urbano da cidade, como o Pavilhão do Chá e o Mercado Central.

A situação de abandono do Pavilhão do Chá vem sendo denunciada desde 2007 quando foi realizada uma sessão especial na Câmara de Vereadores proposta pelo então vereador Luciano Cartaxo. Já são quatro anos com o local fechado ao público.

O deputado Luciano Cartaxo ressalta que a reabertura precisa ser urgente. “Vejo com profunda tristeza que o Pavilhão do Chá está há mais de quatros anos sem funcionar. Como vereador, realizamos audiência pública, apresentamos proposta, e o que vemos hoje é o abandono completo de um equipamento que poderia ter sido devolvido às famílias pessoenses. Vamos nos empenhar para que essa reabertura seja imediata”, afirma.

Não parece fácil, a depender do descaso da prefeitura.

Hoje o local fica servindo de ponto para vândalos, usuários de drogas e profissionais do sexo, além de ser ponto de assaltos.

Por conta da não utilização do local, a Igreja Adventista que fica ao lado, por exemplo, teve que antecipar o horário de seu culto aos domingos, temendo assaltos.

Enquanto isso, a prefeitura fica brigando para derrubar o Aeroclube do Bessa para construir um parque no local.

Não seria mais fácil investir no Pavilhão do Chá, que fica na área central da cidade e é tradicional?

Para quem não sabe, a Praça Venâncio Neiva, onde está localizado o Pavilhão do Chá, foi construída pelo presidente Camilo de Holanda, em 1917. Destinava-se à prática da patinação e contava também com jardins, fontes e coretos. Testemunhas da época dizem que grande número de pessoas ia ao local nas tardes de domingos e feriados. O presidente João Pessoa demoliu a pista de patinação, mandando erguer o pavilhão central para fins de serviço dos chás das cinco, no estilo britânico. A partir daí, passou a chamar-se Pavilhão do Chá.