Fale Conosco

Foi feita ontem à tarde a entrega do Parque Casa da Pólvora, obra da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) que reformou e ampliou um dos principais observatórios para o espetáculo natural no Centro Histórico da Capital, além de construir um novo Centro Cultural.
 
O prefeito Luciano Cartaxo, que fez a entrega da obra, destacou o empenho da PMJP na revitalização de todo o Centro Histórico. “O que estamos fazendo é valorizar a alma da Capital. O Parque Casa da Pólvora e o Centro Cultural são espaços ideais para que as pessoas conheçam a cidade, não só os turistas, mas todos os moradores. Estamos investindo nos bairros, mas sem descuidar do Centro Histórico. Quem ganha com isso é nossa cidade”, declarou.
 
A reforma da Casa da Pólvora recebeu investimentos da ordem de R$ 1,3 milhão, com recursos da Prefeitura de João Pessoa e do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan). O projeto inclui a restauração do prédio e construção de um parque ecológico, além de um anfiteatro e um Centro Cultural, que abriga telecentro, biblioteca, galeria de artes e uma estação digital, além da sede administrativa do Parque.  
 
O prédio original da Casa da Pólvora, que foi tombado em 1938 pelo Patrimônio Histórico Cultural Nacional, será espaço para exposições. O complexo fica localizado na Ladeira de São Francisco, a primeira da cidade, e é um dos principais patrimônios arqueológicos de João Pessoa.
 
Para o diretor executivo do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional, Aníbal Victor de Lima, a iniciativa da Prefeitura de João Pessoa vai além da entrega de um equipamento cultural para a comunidade. “Quando o poder público faz a sua parte, isso incentiva a iniciativa privada a ter um maior zelo com o nosso patrimônio, que é, na verdade, de todos”, afirmou.
 
De acordo com o historiador Arion Farias, a entrega dos equipamentos representa uma nova arrancada cultural proporcionada pela Prefeitura Municipal de João Pessoa. “Esse local representa um pedaço muito importante de nossa história, e agora pode se tornar um espaço de lazer e convívio para quem o visitar”, explicou.
 
Administração – O Parque Casa da Pólvora será administrado pela Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope), em colaboração com as Secretarias de Educação e Cultura (Sedec) e de Meio Ambiente (Seman), a Coordenadoria do Patrimônio Cultural (Copac) e demais secretarias do Governo Municipal.
 
Segundo o diretor executivo da Funjope, Maurício Burity, a obra tem um relevante potencial cultural e educativo em diversas linguagens artísticas, e na educação patrimonial e ambiental. “O Parque Casa da Pólvora é exemplo da política de preservação do patrimônio cultural de nosso Estado e, agora, com a construção do primeiro centro de cultura, podemos iniciar o processo de descentralização cultural e formação de um polo de atividades atrativas com ações educativas, de lazer e de turismo”, declarou.
 
O coordenador do Patrimônio Cultural de João Pessoa (Copac), Milanez Neto, destacou que com a execução dessa obra a Prefeitura demonstra seu compromisso com a entrega de um Centro Histórico pronto para ser aproveitado pela população. “Queremos devolver a história da cidade aos pessoenses e estamos trabalhando muito para que isso aconteça”, ressaltou.
 
Programação – A cerimônia de inauguração do novo Parque Casa da Pólvora contou com a apresentação da Banda 5 de Agosto e da manifestação cultural do grupo de capoeira Angola Palmares, do bairro do Roger. Os presentes ainda puderam conferir o acervo do museu fotográfico Walfredo Rodrigues.