Fale Conosco

O racionamento de água em Campina Grande e mais 18 cidades termina dia 26 de agosto, anunciou na manhã de ontem (8) o Secretário Estadual de Recursos Hídricos da Paraíba, João Azevedo. “Temos dados técnicos do volume de vazão [da transposição do Rio São Francisco] que nos permitem perceber que esse era o momento de encerrar o racionamento”, garante. Porém vale ressaltar que seguindo o entendimento do Senador Cássio Cunha Lima (PSDB), que na inauguração das obras da Transposição do Rio São Francisco na Paraíba tentou capitular para se, ao lado do presidente Michel Temer a autoria da obra, o prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSDB) que cobrava até mês passado, o fim do racionamento na cidade, se calou diante da decisão do Governo do Estado de acabar com a crise hídrica na cidade.

Volume de água no Açude de Boqueirão vem crescendo desde o início da transposição do Rio São Francisco. Em virtude disso, seguindo o entendimento de Cássio que em janeiro deste ano estava ao lado de Temer destacando em vídeo nas suas redes sociais que a obra da Transposição chegava a Paraíba em virtude do esforço de Temer e não dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff.

Seguindo as táticas tucanas do seu chefe, Romero que até mês passado cobrava o fim do racionamento em Campina dizendo: “Se o manancial recebe a cada dia, as pessoas utilizando água ou não, um volume maior do que está se consumindo, a lógica manda que cesse o racionamento”, dizia Romero que até essa quarta-feira (09), não se manifestou sobre o fim do racionamento divulgado ontem pelo Governo do Estado. 

Segundo Azevedo, até o dia 26 o açude de Boqueirão deve chegar a 8,2% de volume ou mais. Ontem, o volume de água no reservatório é de 7,89% de sua capacidade, que é de mais de 411,6 milhões de metros cúbicos, de acordo com dados da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa). O reservatório Epitácio Pessoa, conhecido como açude de Boqueirão, abastece as 19 cidades, do compartimento da Borborema.

Quem protestou também contra a incoerência de Romero foi o Secretário de Comunicação do Estado, o jornalista Luís Torres que postou nas suas redes sociais uma crítica ao gestor campinense. 

“Quando vejo a oposição ao Governo do Estado em Campina Grande, me convenço da mediocridade de sua existência. A fantasia que resolveu usar agora é de combater o fim do racionamento de água na cidade e região. É possível imaginar um negócio desses? Tristes inimigos de Campina Grande. Esquecem até que o prefeito Romero Rodrigues, cujo esporte preferido é tentar colocar a cidade contra o governo, cobrou mais de uma vez para que o governo do Estado pusesse fim ao racionamento de água. E agora desejam que os moradores de Campina continuem acordando sem saber com vão lavar-se, dar banho em seus filhos, assegurar a limpeza de suas residências, de seus comércios, obrigados a comprar água potável, e condenados a toda sorte de transtorno que causa uma interrupção de abastecimento, fruto de uma longa estiagem que ameaçou fazer sumir o Açude de Boqueirão”, destacou Torres.

 

 

Redação