Notícias

PESQUISA E DNA: RC é alertado por Eduardo Campos e contrata empresa do Recife

Acendeu uma luz amarela em QG de pré-campanha e o presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco Eduardo Campos foi quem primeiro recebeu o recado da voz rouca das ruas e repassou o brieffing para o PSB paraibano. A situação de Agra é ruim e a de Ricardo caminha para ficar ainda pior.

Sob encomenda direta do governador Ricardo Coutinho, uma empresa do Recife aplica 900 questionários em João Pessoa numa consulta popular que faz aterrissar relatórios diários sobre o humor do pessoense na mesa do todo poderoso.

Além de fotografar a quantas anda a popularidade ou a impopularidade de quem se elegeu sob o rótulo da mudança e depois recorreu aos piores cases deixados por déspotas, a sondagem faz projeções de futuro para que RC decida o melhor caminho para não perder a eleição na Capital.

Soube – porque tudo vasa onde há soberba de um e mágoas de outros – de quem ta infiltrado como aliado que aquela figura esquálida e sem amigos sinceros exigiu relatórios sem filtros.

Dois cenários se projetarão a partir do resultado de 2012 em João Pessoa.

No cenário “A” Ricardo faz o sucessor, mantém a corda esticada com setores como Legislativo, Judiciário, servidor público e imprensa, pois com duas máquinas ninguém terá coragem de enfrentá-lo pra valer em 2014, e se reelege por antecipação botando toda a classe política no bolso.  

No cenário “B” Ricardo perde a Prefeitura de João Pessoa e flexibiliza a cintura para encarar o contraponto da oposição com exército e perspectiva de poder se multiplicando a partir do quartel general instalado na Capital, mudando o discurso, abrindo os cofres e se reciclando perante todos os segmentos atritados para mais na frente não ter toda a classe política contra si.

Entenda-se flexibilizar no dialeto ricardista como ser menos arrogante sem deixar de ser, apenas por sobrevivência e conveniência temporária.

Arrisco um palpite mais arrojado. Mesmo que abra o cofre e abafe insatisfações nunca debeladas, apenas reprimidas, dificilmente Ricardo Coutinho chegará ao segundo mandato, pois no meio do caminho se afogará em um rio de mágoas.

Pode ter obras por todo lado, mas nunca terá deixado lembranças simpáticas e as relações pessoais são muito mais importantes em política do que as institucionais.

Aos servidores perseguidos e demitidos se juntarão os outros segmentos da sociedade prejudicados nas individualidades e cada um com seu calo multiplicará em escala irreversível um conceito de que não vale à pena, foi um engano apostar que Ricardo era diferente. É pior.

Algo assim: o remédio que faria milagres e serviria para curar várias enfermidades, ampliou o leque de doenças.

Voltando a Eduardo Campos, ele é candidatíssimo a presidente e conta com os afilhados para alavancar seu projeto. Se o afilhado da Paraíba fracassar a votação de Eduardo por aqui afunda, pois todos sabem que esse governo tem o seu DNA.

Como hoje é domingo e sorrir é sempre o melhor remédio, recordem no vídeo abaixo Cascata & Cascatinha.