Fale Conosco

O Município de Patos alcançou de janeiro a agosto de 2017, primeiros oito meses da gestão Dinaldinho Wanderley, um saldo positivo de quatrocentos empregos com certeira assinada, segundo números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados-CAGED, do Ministério do Trabalho e Emprego-MTE. Em números absolutos, a Capital do Sertão alcançou 2.364 contratações, contra 1964 demissões, perfazendo saldo positivo de quatrocentas vagas de trabalho, a maior do estado até agora.

Em comparação com outros municípios do Estado, João Pessoa terminou o mesmo período com saldo negativo de 1.911 empregos formais, uma vez que foram 33.840 contratações e 35.751 demissões, enquanto Campina Grande obteve saldo negativo de 1.428 empregos com carteira assinada, sendo 12.368 contratações e 13.796 demissões.

Entre os 17 municípios Paraibanos com mais de 30 mil habitantes, apenas oito deles estão com saldo positivo. São eles: Sousa (86); Cajazeiras (70); Queimadas (64) e Monteiro (57), os mais próximos de Patos em relação ao saldo de empregos formais. Outros municípios importantes para a economia Paraibana, a exemplo de Santa Rita (-1.581); Bayeux (-249); Guarabira (-220); Sapé (-79) e Esperança (-74), também aparecem, só que com saldo negativo.

O resultado alcançado dentro dos oito primeiros meses da gestão Dinaldinho Wanderley, mostra que o desempenho na economia de Patos já supera o período 2014-2016, quando tivemos saldo de 340; -180 e -4 empregos respectivamente, mostrando inclusive, um quadro de recuperação na geração de empregos formais. “Estamos recuperando o nosso potencial econômico com a chegada de novas empresas e alguns investimentos tanto do setor público, quanto do setor privado”, disse Dinaldinho.

Entre os setores de atividade, destacam-se Serviços, com (186); Comércio (152) e a Construção Civil com (56) empregos de saldo, perfazendo o total de 394 vagas, ou 98,5% do universo de 400 vagas geradas. Os demais segmentos registrados são: Extrativismo Mineral (-3); Serviços Industriais de Utilidade Pública (-5); Agropecuária (4); e Indústria de Transformação, com (10) empregos formais de saldo.

Assessoria PMP