Notícias

OS SUPERENDIVIDADOS: seguindo modelo de gestão do PSB, Paraíba, Pernambuco e Ceará estão com a corda no pescoço

Reportagem da Folha de São Paulo deste final de semana trouxe mais uma triste semelhança entre os governos do PSB no Brasil, além de optarem pelo luxo pessoal em suas residências oficiais como é o caso do Governador Cid Gomes e do socialista paraibano. 

O Governador de Pernambuco segue o modelo de endividamento do Estado aplicado por Ricardo Coutinho aqui na Paraíba desde o começo do seu mandato.

Entre lagostas e caviares existe outra semelhança entre os governadores Eduardo Campos e Cid Gomes com seu colega paraibano Ricardo Coutinho. Trata-se que Eduardo Campos já endividou Pernambuco em R$ 7,5 bilhões. Só nos últimos dias o Estado pernambucano tomou cerca de R$ 2 bilhões com o Bird (Banco Mundial) e o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), recursos que têm sido usados para turbinar obras de infraestrutura e de convivência que lhe deem palanque em 2014 para ser candidato a presidente.

Para a oposição, Campos assume mais compromissos do que pode entregar e usa empréstimos para jogar a conta para a frente – os pagamentos se estendem por até 30 anos.

Na era Campos, iniciada em 2007, o Estado já soma R$ 7,5 bilhões em empréstimos em instituições nacionais e estrangeiras. 

Até o final de setembro ele deve tomar mais R$ 1 bilhão no BID. “O governo do PSB tenta criar uma sensação de bem-estar para este momento provisório de algumas obras que estão em andamento, mas que dificilmente serão concluídas”, critica o deputado estadual Daniel Coelho (PSDB).

Na Paraíba em menos de dois anos, o crescimento do endividamento do Estado foi de 70,2% comparado ao volume de financiamento obtido pelos governos anteriores no período de 1994 a 2010. Juntos, Maranhão e Cássio contrataram R$ 867,3 milhões em empréstimos para o Estado, com autorização da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB). 

A soma do endividamento acumulado entre os dois mandatos do tucano e pelas passagens do peemedebista pelo Palácio da Redenção representam 58,7% do total obtido em apenas três empréstimos formalizados nos últimos 22 meses pela gestão socialista, num total de R$ 1.476.222.444,22.