Notícias

Os bastidores da visita do ministro da Justiça, as picuinhas de RC e a política de muro baixo

A Paraíba é realmente pequena e se na maioria das vezes ficamos de fora dos investimentos que Recife, Natal e Fortaleza têm acesso é por que, infelizmente, nossa classe política não enxerga um palmo adiante do nariz e, em sua maioria, se alimenta das picuinhas.

Ontem durante a visita do ministro da Justiça José Eduardo Cardozo a João Pessoa o cerimonial do Governo do Estado protagonizou cenas só imagináveis em uma Venezuela chavista ou em outra republiqueta qualquer daqueles filmes sobre a pré-história do terceiro mundo.

Desde o aeroporto, minutos antes da chegada do ministro, que as primeiras escaramuças entre o cerimonial do Governo e o prefeito Luciano Cartaxo davam pistas de que o dia iria ser daquele jeito.

Como o hangar do Governo é o ambiente apropriado para receber autoridades, os auxiliares de Ricardo Coutinho aproveitaram-se dessa vantagem para dá um by pass em Cartaxo, nitidamente indesejável ali, certamente por recomendação expressa de Ricardo.

Uma das integrantes abordou o prefeito logo que chegou e disse-lhe que o ministro já se encontrava na sede do MP. O prefeito ia engolindo a pegadinha, quando foi abordado pelo vereador Milanez, que tinha falado com o ministro há poucos instantes e sabia que ele estava a 10 minutos de João Pessoa.

Cruzando dados, descobriu-se que Ricardo tinha saído de Fortaleza e queria atropelar o prefeito Cartaxo, recebendo o ministro sozinho, o que não foi possível, pois pouco depois ele desembarcou, foi recebido pela comitiva de Cartaxo e de lá foi direto para a sede do MP e depois Câmara para receber o título de Cidadão.

Entre a entrega do título e a ida ao TJ, o ministro foi almoçar no Gulyver acompanhado de Milanez, Cartaxo, Fúba, Anísio, Frei Anastácio e Milanez Neto. Lá, conversaram sobre as picuinhas de RC na chegada e imaginaram que haveria cenas parecidas no Palácio.

Saíram do almoço direto para o Tribunal de Justiça, onde o ministro foi muito bem recebido pela presidente,  desembargadora Fátima Bezerra, e até discursou para os desembargadores no plenário.  

Com a presidente do TJ, o prefeito Cartaxo e comitiva o ministro atravessou a Praça dos Três Poderes e foi ao Palácio da Redenção para o último compromisso.

E aí, por incrível que pareça, começou a pior parte do dia de visitas à Paraíba.

Na antessala do governador levaram um chá de cadeiras até que a chefe do cerimonial veio e só convidou para entrar o ministro, barrando a presidente do TJ e o prefeito da Capital.

Entre essa recepção amarga e o inicio da cerimônia demorou exatos 50 minutos e o evento para assinatura de convênio só começou no finalzinho de tarde, inicio de noite, ali pelas 18 horas, com muitos jornalistas já de volta a redação.

Do Palácio o ministro voltou para o aeroporto acompanhado de Cartaxo e Milanez e, obviamente, apesar do carinho dos correligionários, saiu com uma péssima impressão da nossa política de muro baixo.