Fale Conosco

O prefeito Dinaldinho Wanderley recebeu, nesta quarta-feira (02), em seu gabinete, uma comissão do Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Patos e Região, com a intenção de encerrar a greve dos servidores, que já dura 28 dias na cidade de Patos. Na oportunidade, foi feita uma contraproposta, aos pleitos anteriormente apresentados pelo SIMFEMP, sem deixar de considerar a lei de responsabilidade fiscal e o impacto que os benefícios podiam causar na folha de pagamento do município.

Participaram da discussão, o chefe de gabinete, Múcio Sátiro Filho; o procurador geral do município, Kaio Alves Coelho; o secretário de administração, Manoel Noia Jácome Filho; o assessor jurídico, Phillipe Palmeira; o coordenador de comunicação, Misael Nóbrega; a presidente do Sinfemp, Maria do Carmo Nunes Soares; e o vice-presidente, José Gonçalves da Silva Filho; além dos advogados do sindicato, Damião Guimarães e Alexandre da Silva Oliveira.

Durante mais de cinco horas de reunião, foram debatidos os ítens da pauta, a exemplo da isonomia salarial; implantação das progressões horizontais e verticais; revisão salarial, implantação de insalubridade, equipamentos de proteção individual (EPIs), incentivo adicional para os agentes de endemias, dentre outros, não menos importantes. Mas, a questão central da reunião, foi mesmo o corte do ponto dos grevistas que acarretou um desconto nos salários pagos este mês. Ficou acertado, entre as partes, que caso os servidores aceitem compensar os dias parados, o dinheiro será restituído, em 24 horas, motivo que, somado às outras demandas atendidas pela edilidade, tornará a greve sem efeito.

Ao final da audiência, o vice-presidente do SIMFEMP, José Gonçalves da Silva declarou à imprensa, que a reunião foi complexa, mas que o seu desejo é que os serviços, na cidade de Patos, voltem à normalidade; haja vista que as reivindicações da pauta foram construídas pelo sindicato visando a garantia dos direitos dos servidores e por isso representam avanços significativos.

“A prefeitura apresentou uma contraproposta em cima dos pontos apresentados anteriormente pelo SIMFEMP; nós construímos a melhoria dessa proposta para levar para a categoria para, justamente, deliberar os próximos encaminhamentos; no tocante a questão central que foi a devolução dos valores dos salários dos servidores municipais, a nossa proposta é que os servidores só voltem ao trabalho após terem esses valores devolvidos em suas contas e como a prefeitura aceitou, nesta quinta-feira pela manhã estaremos nos reunindo com os servidores e caso aceitem as contrapropostas apresentadas pela prefeitura, principalmente no que diz respeito a devolução dos valores retirados dos servidores, iremos convocar uma assembleia geral, na segunda-feira que vem, para deliberar o fim ou não da greve”, destacou Gonçalves.

O prefeito Dinaldinho Wanderley disse que a conversa que teve com o sindicato foi bastante cordial e reafirmou que o diálogo sempre existiu. Segundo ele, assim que os grevistas decidam retornar ao trabalho, os valores cortados serão restituídos, mediante a compensação dos dias faltosos, de acordo com a conveniência do servidor e a necessidade do município, obedecendo um cronograma das secretarias de origem.

“Fizemos constar em ata todos os benefícios pleiteados para que em assembleia os servidores sinalizem com o final da greve, pois só com o retorno às atividades e a compensação dos dias parados, é que podemos fazer o pagamento do que foi descontado. Eu me comprometi com eles que vamos estudar um aumento para a categoria, assim que o município estiver dentro da lei de responsabilidade fiscal e garantir gradativamente outras melhorias; a partir de agora vamos tirar esse atraso que houve com relação a greve, acredito que quem ganha com isso é a cidade de Patos”, garantiu o prefeito.

Um documento contendo as contrapropostas apresentadas pelo município, foi assinado por todos os presentes para ser, então, discutido e aprovado pelos servidores, conforme decisão do próprio comando de greve, na segunda-feira, dia 06 de maio, no auditório da Associação Comercial e Industrial de Patos, quando acontece a assembleia geral que deverá ratificar o encerramento da greve.