Fale Conosco

O jornal Folha de São Paulo dedicou uma longa reportagem na sua edição de hoje sobre o caso da TV Correio que exibiu cenas de um estupro em um programa policial.

O Ministério Público Federal está pedindo que a União casse a concessão de um canal de TV da Paraíba que exibiu em uma reportagem imagens de uma menina de 13 anos sendo estuprada.

A Procuradoria diz que o material, exibido na tarde do dia 30 de setembro pela TV Correio, afiliada da rede Record, se assemelhava a um “snuff movie” (filme com cenas reais de tortura e morte).

O crime foi registrado por um adolescente de 15 anos com uma câmera de celular. A vítima é uma aluna de escola pública da região metropolitana de João Pessoa.

A polícia diz que ela foi estuprada por um inspetor da escola, de 20 anos. O material, apresentado desfocado, não identifica a vítima.

Segundo a polícia, a menina relatou ter sido atraída pelo instrutor até a casa dele quando saía da escola. Ela disse que foi dopada e, depois, estuprada.

O Conselho Tutelar informou que, nos dias seguintes, o vídeo circulou entre colegas de escola da menina. A família procurou a polícia assim que viu as imagens.

O adolescente que fez o vídeo no dia 20 de setembro, segundo a polícia, alegou que a menina consentiu a relação sexual. Ele foi apreendido e o suspeito de estuprar a garota está foragido.

“Ainda assim o caso seria considerado estupro de vulnerável, já que ela é menor de 14 anos”, afirmou a delegada Lídia Veloso.

Para o Ministério Público, a exibição de imagens envolvendo menores sofrendo violência, mesmo desfocadas, são proibidas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

A ação também inclui um pedido de indenização de R$ 500 mil para a adolescente e de R$ 5 milhões por “danos morais à coletividade”.

O apresentador Samuel Henrique também foi denunciado. Ele apresentou a reportagem no “Correio Urgente”, programa policial diário da TV. “Olha o cara tirando a roupa dela aí, ó. Só um trechinho. Depois a gente vai mostrar tudo”, diz Duarte, segundo a Procuradoria.

O diretor-superintendente da TV Correio, Alexandre Jubert, afirma que a reportagem não identificou a menina.”A ação é uma forma de intimidar a imprensa. Outros canais já mostraram imagens bem piores.”, afirmou.

Jubert também diz que não pretende tomar medidas contra o apresentador. “Se mostramos uma realidade ruim é porque ela é assim.”