Fale Conosco

O motorista da quadrilha que executou Bruno Ernesto provavelmente como queima de arquivo, Alexandre Cavalcanti, disse ao radialista Washington Luiz, da Arapuan, que o crime havia sido de encomenda.