Fale Conosco

As manifestações ocorridas na tarde de ontem (24), em Brasília, foram tema de pronunciamentos dos vereadores na sessão ordinária da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) desta quinta-feira (25). Tibério Limeira e Sandra Marrocos, ambos do PSB, e Marcos Henriques (PT) se posicionaram a favor das mobilizações contra as reformas trabalhista e previdenciária e criticaram a decisão do presidente Michel Temer (PMDB) de convocar as Forças Armadas para garantir “a Lei e a Ordem”.

“O povo brasileiro foi às ruas lutar contra a aprovação das reformas trabalhista e da previdência, e também pela pauta das ‘Diretas Já’, pela aprovação das eleições diretas em caso de afastamento do presidente da República, que é algo eminente”, relatou Tibério Limeira, que ainda afirmou que não dá para entregar a decisão de quem vai conduzir o país a um Congresso sem legitimidade, envolvido em um mar de corrupção. “É fundamental que essa decisão seja tomada por quem de direito. O povo brasileiro deve eleger de maneira coletiva, democrática e direta quem será o nosso representante”, defendeu o parlamentar.

O vereador Marcos Henriques também criticou a posição adotada pelo governo Temer. “Nós tivemos uma mobilização intensa, digna de orgulho, por parte da classe trabalhadora. O Governo tentou desconstruir um processo extremamente importante para a democracia do nosso país através da intimidação. Tentou, mas não conseguiu. Isso só fortaleceu a luta, porque agora todos sabem do que este governo golpista é capaz”, afirmou.

“Ontem o povo brasileiro disse que não aceita golpe, não aceita nenhum direito a menos. Só disseram na mídia que os ministérios tinham sido queimados, que houve vandalismo. Mas, o que houve foi reação, resistência e luta. Vandalismo é o que esse governo está fazendo com o povo brasileiro”, enfatizou a vereadora Sandra Marrocos.

Os parlamentares ainda leram, na íntegra, o artigo publicado no portal Brasil de Fato, intitulado “Marcha sobre Brasília foi tremenda vitória popular”, e a nota da Central Única de Trabalhadores (CUT), “A maior marcha da história”.

Fonte: Assessoria