Fale Conosco

O deputado federal Julian Lemos trouxe à tona nesta quarta-feira (21) os gastos abusivos no gabinete do prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD). Baseado nos dados do Sagres-PB do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), Lemos revelou que, no mês de junho, haviam 258 servidores comissionados e prestadores de serviço só no gabinete de Romero, cujos salários geram despesas de quase R$ 10 milhões por ano. Mas o total de pessoas sem concurso na PMCG é bem maior e chega a ultrapassar os R$ 7,6 mil servidores, também segundo dados do TCE-PB.

Romero tem em seu gabinete 32 assessores especiais, custando R$89.390,17 aos cofres públicos; 61 assessores técnicos, custando R$188.618,47; 35 assessores políticos, custando R$165.186,00; 18 gerentes, custando R$57.987,32; e 91 prestadores de serviço, custando R$138.538. No total, são R$ 714.299,02, o que gera despesa anual de R$ 9.285.887,00.

“Esse modelo de administração ou conchavos políticos para a governabilidade está fadado ao fracasso. O dinheiro do contribuinte não é para isso, não está certo, não é correto. Confesso que não tinha ideia sobre tais absurdos. É contra isso que lutamos, é mais do que vergonhoso, é inaceitável, o absurdo é tanto, que se todos fossem trabalhar, não haveria espaço para esses funcionários”, postou Julian.

No total – Em junho desde ano, a PMCG apresenta exatos 7.666 pessoas contratadas sem concurso que custaram aos cofres públicos neste referido mês R$ 11.370.847,60. Até marco desde ano eram 7.215 servidores sem concurso o que representa um aumento de 451 pessoas. Veja: https://fatospb.com.br/noticia/2501/em-meio-a-denuncias-de-corrupcao-e-nepotismo-romero-gastou-em-junho-deste-ano-mais-de-11-milhoes-com-os-7-666-servidores-sem-concurso

Segundo o Sagres, estes 7.666 servidores estão divididos entre (comissionados e pessoas contratadas por excepcional necessidade), em pastas como a PMCG, o Fundo Municipal de Saúde, o Fundo Municipal de Assistência Social, a STTP, Urbema, AMDE e IPSEM, que tem recursos próprios. Ambos podem ser vistos no link do TCE-PB: https://sagres.tce.pb.gov.br/municipio_index.php

Pelo menos 12 parentes de vereadores e de pessoas ligadas ao alto escalão político de Campina Grande estão inseridos na folha de pessoal do município com gordos salários. Os vencimentos chegam a passar de R$ 14 mil. Veja mais: https://www.clickpb.com.br/politica/denuncia-aponta-parentes-de-vereadores-e-aliados-em-cargos-comissionados-na-prefeitura-de-cg-255788.html

Dentre os parentes identificados estão a esposa do deputado estadual Moacir Rodrigues e cunhada do prefeito Romero Rodrigues. Giovanna Karla Barros Fernandes do Carmo lotada no Gabinete do prefeito com salário de R$ 14.196. Também consta na folha da PMCG Betânia Ligia de Araújo, tia da primeira dama, esposa do gestor em questão, que exerce o cargo de provimento em comissão de Gerente da Vigilância Sanitária. Outra parente direta é a Sra. Carine Moura, irmã da primeira dama do município, Micheline Rodrigues, ocupando o cargo de Gerente de Abastecimento Farmacêutico da Secretaria de Saúde de Campina Grande – PB, cargo em provimento de comissão.

Também estão ocupando cargos na PMCG esposas, filhos e filhas e primos de vários aliados do prefeito Romero Rodrigues. Veja mais:
http://www.caririemacao.com/1/2018/07/16/prefeito-romero-rodrigues-e-denunciado-por-empregar-parentes-com-altos-salarios-na-prefeitura-de-campina/

Parentes também do ex-senador Cássio Cunha Lima, primo do prefeito, ocupam diversos cargos na gestão como Germana Cunha Lima, que é prima do senador, ganhando R$ 5,8 mil. Veja mais detalhes: http://blogdodiegolima.com.br/2018/01/08/parentes-e-aliados-de-cassio-recebem-altos-salarios-da-pmcg/

Redação