Fale Conosco

João Pessoa não terá apenas turismo de sol e mar. A garantia foi dada pelo prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), ao reforçar, neste final de semana, a construção do Parque Ecológico Sanhauá no Centro Histórico da Capital.

“Nós vamos construir um belo parque na cidade de João Pessoa, que vai valorizar ainda mais o nosso Centro Histórico, com calçadas padronizadas, com um píer muito bonito, com uma área para caminhada, com ciclovia, com toda a  iluminação em led, nós vamos ter um mirante com um elevador panorâmico, com toda a visão em 360 graus, para que as pessoas possam contemplar a nossa natureza e transformar o nosso Centro Histórico num ponto turístico, econômico e cultural como já estamos fazendo em outros pontos da cidade. Vamos acolher essas famílias e ao mesmo tempo ter um novo polo de turismo. João Pessoa não vai ter o turismo apenas de sol e mar, mas nós vamos novamente se voltar para nossa história”, ressaltou.

De acordo com o prefeito Luciano Cartaxo, o projeto desenvolvido pela PMJP vai cuidar das pessoas que viviam na comunidade Vila Nassau ao mesmo tempo em que transformará a região do Centro Histórico em um grande polo turístico, econômico e cultural. “Importante dizer que não estamos fazendo uma intervenção na comunidade do Porto do Capim, mas sim na comunidade da Vila Nassau. Estas famílias viviam em uma área de risco, ocupações sem a posse da terra e nós vamos oferecer dignidade a estas pessoas, mais qualidade de vida, e um verdadeiro lar para poderem criar seus filhos em segurança”, explicou o prefeito.

Segundo ele, todo o trabalho foi feito a partir do diálogo com a comunidade em um processo iniciado há cinco anos, oferecendo a garantia de que ninguém ficaria desamparado pelo poder público municipal. “Uma das marcas de nossa gestão é a humanização em todos os nossos atos. Antes de qualquer obra, cuidamos das pessoas e do interesse coletivo e é exatamente isso que estamos fazendo neste momento. Conversamos com a população, e os moradores vão viver em dignidade. Assim como os comerciantes, para quem encontramos um espaço para cada um deles continuar exercendo seus trabalhos em outras áreas da cidade”, disse.