Fale Conosco

 

Essa notícia vai deixar ainda mais apreensiva a colônia japonesa na Paraíba, como também aqueles que tem parentes por lá

.Um mês após o tremor seguido de tsunami que devastou a região nordeste do Japão e deu início à crise nuclear na usina de Fukushima, o governo elevou a gravidade do desastre de 5 para 7 na escala INES, colocando o acidente no mesmo nível de Tchernobil, na Ucrânia, considerado até então o maior desastre do gênero no mundo.

As medidas disponíveis da radioatividade que escapou da central de Fukushima “mostram níveis equivalentes ao grau 7”, o máximo na escala de eventos nucleares e radiológicos, confirmou a Agência de Segurança Nuclear japonesa em entrevista coletiva na manhã de terça-feira no horário local (noite desta segunda-feira em Brasília).

“Em termos de volume de emissões radioativas, estimamos que equivalem a cerca de 10% do registrado em Tchernobil”, destacou a agência.

O porta-voz da Agência de Segurança Nuclear, Hidehiko Nishiyama, disse que, ao contrário de Tchernobil, em Fukushima o nível de radiação, apesar de ser alto, permite que os operários trabalhem nas instalações para estabilizar as quatro unidades mais danificadas.

Vamos continuar observando a situação. Este é um nível provisório”, informou a agência, destacando que o grau definitivo do acidente em Fukushima será definido posteriormente por um comitê internacional de especialistas.

Segundo informações da agência Kyodo, uma fonte de dentro da Tokyo Electric Power Company (Tepco), a operadora da usina nuclear de Fukushima, indicou nesta terça-feira que a empresa teme que os vazamentos de materiais radioativos na central igualem ou superem no futuro os ocorridos em 1986 em Tchernobil.

“O vazamento de radiação não foi completamente controlado e nossa preocupação é que a quantidade possa a longo prazo alcançar ou superar a de Chernobyl”, indicou a fonte.