Fale Conosco

Polícia Federal (PF) está montando uma força-tarefa para a investigação decorrente da Operação Spectrum, que prendeu, em 1º de julho deste ano, Luiz Carlos da Rocha, conhecido como Cabeça Branca. Eele foi procurado por aproximadamente 30 anose a polícia o descreve como o “embaixador do tráfico”.

Com a criação desta força-tarefa, dois novos delegados – com experiência em lavagem de dinheiro e que já atuaram na Operação Lava Jato – e mais oito agentes vão trabalhar na análise de provas e documentos. O grupo deve iniciar os trabalhos na próxima semana, com base em Londrina e Curitiba.

Na ação, além de usar US$ 4,5 milhões e 1,5 toneladas de cocaína, foram apreendidos 70 telefones celulares, um telefone móvel via satélite e vários computadores – que juntos somam aproximadamente 10 terabytes de informação – e autorizadas 80 quebras de sigilo fiscal e bancário. Este material será utilizado durante a investigação.

De acordo com a polícia, “cabeça branca” tinha diplomacia para lidar com outras facções criminosas, o que permitiu que ele atuasse tanto tempo sem que fosse encontrado. O termo “embaixador do tráfico” surgiu justamente desta característa. A polícia afirmar que ele lidava com grupos criminosos nacionais e internacionais sem que precisasse usar a violência.

Além disso, ainda segundo a PF, ele usava uma identidade falsa, fez plásticas para mudar a fisionomia e mantinha uma vida normal em Sorriso (MT), atuando como um agropecuarista.

De acordo com as investigações, o criminoso usava o Porto de Santos (SP) para exportar drogas para a Europa e os EUA e tinha mais influência que outros traficantes, como Fernandinho Beira-Mar e Juan Carlos Abadia. Luiz Carlos da Rocha está preso na Penitenciária Federal de Catanduvas, no oeste do Paraná.

Os trabalhos

O delegado federal Elvis Secco de Londrina, no norte do Paraná, coordenador da operação, informou que, atualmente, trabalha com oito agentes na operação.

O delegado explica que a extração de análise de dados de cada telefone celular demora aproximadamente 25 dias. “Quem ajudou a extrair os dados foi o próprio DEA [Drug Enforcement Administration, agência de combate ao narcotráfico dos EUA], porque não é qualquer equipamento que consegue extrair os dados”, declarou.

De acordo com Secco, já foram solicitadas outras 11 quebras de sigilo fiscal e bancário, que equivalem à segunda fase da operação, e uma terceira fase, com pedidos de quebras de sigilo e bloqueio de bens já está em andamento.

A divisão da investigação em fases busca agilizar o andamento do caso na Justiça, ainda de acordo com o delegado. O objetivo agora é rastrear o dinheiro e identificar bens pertencentes à organização criminosa, muitos registrados em nome de laranjas.

Lavagem de dinheiro

A força-tarefa também trabalha na identificação das formas usadas pela quadrilha para lavar o dinheiro do tráfico. “Quem está apoiando a operação na parte de lavagem de dinheiro é o núcleo da Lava Jato de Curitiba”, explicou Secco.

A PF informou que uma das formas era por meio de fazendas, muitas em nomes de laranjas. Conforme o delegado, Cabeça Branca tinha propriedades no Paraguai, com mais de 20 mil cabeças de gado que funcionavam licitamente, e que eram usadas para lavagem internacional de dinheiro. 

Wilson Roncaratti, preso na operação, em Londrina, era empregado de Cabeça Branca e o responsável transportar dinheiro em espécie, mas não tinha contato com o tráfico de drogas, segundo o depoimento prestado por Rocha à PF, no dia seguinte à sua prisão.

“A função de Wilson Roncaratti era transportar dinheiro em espécie para o interrogado; que em razão dessa função, era comum o interrogado pedir a Wilson que fizesse viagens para a cidade de Ponta Porã (MS), fronteira com Paraguai, com a finalidade de trazer e levar dinheiro em espécie”, explicou o traficante.

Depoimento

Em depoimento à PF, Luiz Carlos da Rocha disse que a cocaína que vendia vinha da Bolívia e era carregada em prioridades aleatórias no Mato Grosso. Em seguida, a droga era levada para depósitos em Cotia e Embu das Artes, no interior de São Paulo.

“O pagamento pela cocaína fornecida era feito em espécie, em dólares; que o pagamento era feito diretamente para o interrogado pelo comprador da cocaína”, diz termo do depoimento.

Rocha se negou a informar quem eram os compradores da cocaína, alegando razões de segurança pessoal. “Esclarece que fornecia cocaína para compradores no Brasil e estes supostamente exportavam cocaína”, se limitou a informar.

Segundo Fábio Ricardo Mendes Figueiredo, advogado de Cabeça Branca, ele se sente aliviado e já cogitava se entregar. Além disso, assumiu o crime e pretende cumprir a pena, se possível em presídio federal.

 

 

Fonte: G1