Fale Conosco

Essa saiu na Folhaonline:

O líder do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) João Pedro Stedile condenou na manhã desta quinta-feira (2), a provável nomeação do líder do PP na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PB), para o Ministério das Cidades.

Em e-mail enviado à reportagem, Stedile diz que Dilma “mancharia o seu próprio passado de lutas, com indicação tão espúria, e ofensiva para todos os camponeses do Brasil e a todos que sempre lutaram contra a ditadura dos militares e dos coronéis do nordeste”.

Avô de Ribeiro, o ex-deputado Aguinaldo Veloso Borges é apontado em dois livros lançados pelo governo federal como mandante do assassinato de João Pedro Teixeira, fundador da Liga Camponesa de Sapé (PB), em 1962.

Segundo o livro “Retrato da Repressão Política no Campo”, relançado pelo governo de Dilma Rousseff, Borges só não foi preso porque era sexto suplente de deputado e, graças à saída dos titulares, obteve imunidade parlamentar.

Um outro livro oficial, o “Direito à Memória e à Verdade”, produzido durante o governo Lula, cita a mesma história. “Os nomes dos mandantes da emboscada que vitimou João Pedro Teixeira, segundo escritura declaratória feita por Francisco de Assis Lemos Souza, foram Aguinaldo Veloso Borges [usineiro], Pedro Ramos Coutinho e Antônio José Tavares, o ‘Antônio Vitor’, conforme decisão do juiz Walter Rabelo, dada em 27/03/1963”, diz.

O nome do avô do possível ministro também é associado à morte da líder Margarida Maria Alves, em 1985.

Segundo a bibliografia oficial, Veloso ameaçou a então presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande (PB) “pouco antes” de ela ser baleada por pistoleiros encapuzados na porta de casa.

A sindicalista assassinada inspirou a “Marcha das Margaridas”, ato que há quatro anos reúne em Brasília trabalhadoras rurais de todo o país.

Embora insista em repetir que ainda não fora convidado para assumir o Ministério das Cidades, Ribeiro descartou à Folha qualquer risco de constrangimento com a esquerda do PT. Segundo ele, “o Brasil e o mundo mudaram” e a dicotomia “esquerda e direita” está superada.

Stedile chama de “lamentável” a “biografia familiar” de Ribeiro.

“Espero que a presidenta Dilma não cometa esse erro de indicá-lo para Ministério das Cidades, pois mancharia seu próprio passado de lutas, com indicação tão espúria e ofensiva para todos os camponeses do Brasil.”

Folha de São Paulo versão online