Fale Conosco

Pra quem começou com um contrato humilde de 26 mil reais por ano e hoje exibe um contrato de mais de 2 milhões, temos que tirar o chapéu para competência da empresa de segurança privada Gadi.

Estou falado de um contrato entre esta empresa e a Prefeitura de João Pessoa, um escandaloso flagrante do uso indevido de verbas federais do Fundeb, conforme denúncia publicada na coluna do jornalista Helder Moura, no Correio da Paraíba.

A Gadi foi contratada ainda na gestão do então secretário de Educação Walter Galvão e hoje na gestão de Ariane Sá, esposa do seu irmão, Lúcio Flávio, que é Chefe de Gabinete do governador Ricardo Coutinho, então prefeito, estufa o peito por aí por ter subido na vida dentro do “esquema” do Coletivo Ricardo Coutinho.

Para os senhores compreenderem a gravidade desta denúncia feita pelo deputado Aníbal Marcolino, lá no Amapá o ex-governador Pedro Paulo Dias ( foto) foi preso pela PF e também o presidente do Tribunal de Contas, José Julio de Miranda Coelho, acabou caindo nas garras da Lei aqui mesmo na Paraíba onde investia em imóveis.

No Amapá a Operação “Mãos Limpas”, da PF, desbaratou uma quadrilha entre outras coisas envolvida em um contrato de 2,5 milhões em verbas do Fundeb. Aqui na Capital as gestões de Ricardo e Agra se aproximam dos delitos cometidos por lá através do mesmo modus operandi: a contratação de segurança privada paga com uso do Fundeb, conforme podemos destacar no aviso de licitação pregão presencial número 006/2011 que textualmente diz que a secretaria de Educação do Município vai usar recursos do Fundeb para contratação de segurança privada para a estação Cabo Branco, casa de Ensino das Artes, Bibliotecas, Unidades Administrativas da SEDEC e “novos prédios a serem construídos”.

Clique aqui e acompanhe o que diz o contrato da Gadi com a PMJP no Semanário Municipal publicado na edição 1262 do mês de março, onde os senhores vão perceber que propositalmente as letras são minúsculas para esconder o valor do serviço licitado, a bagatela de de mais de 2 milhões de reais.

A operação “Mãos Limpas” da PF também vai se instalar por aqui algum dia?